O presente já é elétrico. Dez carros que estão mesmo a chegar

Frankfurt está a ser palco de várias apresentações de automóveis eléctricos de fabricantes de todo o mundo, principalmente europeus. Estes são os carros que poderá ver na estrada muito brevemente.

Os automóveis elétricos estão a dominar as atenções no Salão Automóvel de Frankfurt. O evento, que decorre até 22 de setembro, vem confirmar o rumo que os fabricantes estão a tomar na aposta na mobilidade elétrica dos seus veículos em resposta às restrições cada vez mais apertadas em relação à emissão de gases poluentes.

Entre os protótipos, que representam uma primeira abordagem à produção em série, e alguns modelos que estão prontos para chegar ao mercado, destacam-se alguns fabricantes europeus como a Volkswagen, Mercedes, BMW e Porsche.

A Volkswagen apresentou o muito aguardado ID.3, automóvel totalmente elétrico com três tamanhos de bateria diferentes. A autonomia pode por isso variar entre os 330 e os 550 km. A marca alemã anuncia que é possível carregar a bateria o suficiente para 290 km em 30 minutos usando um terminal de carregamento específico da marca. O ID.3 já está em fase de reserva com preços a começar nos 30 mil euros em Portugal.

Apresentação do VW ID.3 no Salão Automóvel de FrankfurtIAA

A BMW e a Mercedes aproveitaram o evento para apresentar ao vivo dois protótipos, o Concept 4 e o Vision EQS, respetivamente, deixando antever as linhas dos elétricos germânicos num futuro muito próximo.

Destaque também para a atualização e restyling de toda a gama Smart EQ, para o MINI SE e para o pequeno Honda E, utilitário da marca japonesa com autonomia de 220 km, que usa câmaras de vídeo em vez de espelhos retrovisores e estará no mercado antes do próximo verão com o preço um pouco abaixo dos 30 mil euros. A Opel estreou o Corsa, incluído o Corsa-e com 330 km de autonomia e um preço a partir dos 29.990 euros.

Opel Corsa-e terá 330 km de autonomia.

Entre as propostas mais arrojadas surge a coreana Hyundai ao desvendar o 45 EV, um protótipo retro futurista e a Byton, um fabricante chinês desconhecido por estas paragens mas apostado em conquistar o mercado europeu em 2020 com a apresentação do M-Byte, modelo SUV recheado de tecnologia com uma autonomia capaz de chegar aos 550 km. Aqui ao lado, a Cupra, divisão desportiva da espanhola Seat, desvendou o Tavascan, SUV equipado com dois motores elétricos com autonomia capaz de chegar aos 450 km.

Veja na fotogaleria em baixo alguns dos automóveis que poderá vir a ver na estrada nos próximos tempos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O presente já é elétrico. Dez carros que estão mesmo a chegar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião