Leadership Summit 2019: Como liderar na idade do algoritmo?

A 3.ª edição do Leadership Summit Portugal desafiou especialistas a refletir na resposta para uma das questões do futuro da liderança: "Estaremos a caminhar juntos?".

“Eu não sou um robô, sou um ser humano”. Foi assim que se apresentou o primeiro orador, vindo da Grécia, o professor de gestão e filósofo Haridimos Tsoukas, que abriu as hostes das sessões da 3.ª edição do Leadership Summit Portugal, que decorreu esta terça-feira, no Casino do Estoril.

Na conferência intitulada “O belo mal e o desejo transcendental: IA e espiritualismo”, Haridimos explicou algumas técnicas para “liderar na era do algoritmo” e explicou de que forma a filosofia e o espiritualismo na liderança podem ser parte das respostas. “Precisamos de desenvolver o que já temos: competências humanas e únicas de compreensão, adaptação, empatia e transcendência”, revela o filósofo, que acredita que as particularidades que nos tornam humanos serão insubstituíveis pela inteligência artificial. “A IA (inteligência artificial) é parte da nossa vida, mas não percebe os inputs que processa e os outputs que gera”, justifica Tsoukas.

"Liderar de forma inteligente é desenvolver perceção, perceber as nuances da situação e conectar-se emocionalmente consigo próprio e com os outros”

Haridimos Tsoukas

Os humanos podem oferecer mais do que a IA e que os robôs, através da filosofia, gestão e da liderança”, por exemplo, através da “capacidade humana da espontaneidade”, alerta Tsoukas. Entender o “horizonte do significado”, o que está implícito, sentir a dimensão tácita — do que não se mostra com a voz, ou com palavras –, analisar o presente com experiências do passado, sentir empatia e o “sexto sentido”, são características inimputáveis aos robôs, exemplifica.

Para o filósofo, a liderança e a filosofia podem encontrar um ponto em comum, partindo de uma perspetiva política Aristotélica: “A forma como um ser humano responde a uma situação vai depender do seu caráter que, por sua vez, depende da sua perceção, emoções e motivos”. Assim, “liderar de forma inteligente é desenvolver perceção, perceber as nuances da situação, e conectar-se emocionalmente consigo próprio e com os outros”.

“A gestão feliz”

“E se o sucesso não fosse o indicador mais importante para os líderes e para os gestores? E se a felicidade passasse a ser uma forma de medir a liderança?”. Foram estas as duas questões lançadas pelo CEO da Altice, Alexandre Fonseca, que refletiu sobre o impacto da liderança nas organizações, e em particular na atração e retenção de talento. Uma das prioridades da Altice tem sido a “aposta nas novas gerações e a preparação dos futuros líderes”, referiu ao ECO na entrevista de antecipação do evento.

Para o gestor, o “fator humano é o critério chave da liderança”, e um líder deve ser próximo, criar laços e envolver os colaboradores. “A liderança constrói-se”, sublinha Alexandre Fonseca, e sem estereótipos, assente em valores como a “proximidade, o conhecimento, a empatia, inteligência emocional e o espírito de equipa“.

"Liderar é ter coragem para transformar.”

Alexandre Fonseca

CEO da Altice Portugal

“Liderar não tem de ser solitário”, refere o CEO, que acredita que o líder de sucesso deve rodear-se de uma equipa e, acima de tudo, conhecê-la, contribuindo “para a felicidade dos colaboradores“. Um líder deve ser “politicamente incorreto” e “continuamente irreverente” porque “liderar é ter coragem para transformar”, defende Alexandre Fonseca.

Um líder deve “fazer os outros quererem aquilo que nós também queremos”. Alexandre Fonseca considera-se um “gestor feliz,” numa “viagem que não faz sozinho”, por isso, deixa uma mensagem a futuros líderes: “Devemos a nós próprios ser felizes”.

A etimologia da liderança

Henrique Monteiro trouxe ao Leadership Summit outro olhar sobre a definição de liderança: a origem etimológica das palavras. Para o jornalista e escritor, é possível encontrar a definição de um bom líder na origem de três palavras: “liderança”, “manipulação” e “carisma”.

O termo “liderança”, de origem na língua frísia, está ligada à palavra “lead”, que significa a primeira parte de uma peça musical, ou primeiro parágrafo de uma notícia, explica o jornalista. De origem latina, a palavra “manipulação” refere-se ao que é possível “moldar com as mãos”, a mão que gera” e está relacionado com o termo “manajeiros”, os capatazes que dirigem o trabalho das ceifas. Por fim, do grego caris, carisma significa “mostrar-se favorável”, “estar pronto para tudo”. O carisma — o “poder de sedução” — representa “os favores, a graça e a recompensa, retribuídas a quem segue alguém que tem um impacto positivo na nossa vida”, explica Henrique Monteiro.

“Apesar destes valores não serem materiais, são metafísicos”, sublinha o jornalista, abrindo espaço para a conexão entre a espiritualidade e a liderança. Para Henrique Monteiro, “a inteligência passará sempre pelos sentidos” e, talvez no futuro, “as máquinas possam vir a ter algo parecido com as sinapses que ocorrem no nosso cérebro, mas a pergunta de um milhão de dólares será sempre: o código moral e ético que desenvolverão será igual ao nosso?”.

“A grande liderança é espiritual”

O contexto empresarial deste século é “VUCA”, sigla em inglês para “volátil, incerto, complexo e ambíguo”, afirma Chris Lowney, seminarista jesuíta e antigo diretor-geral da JP Morgan, que fez o convite à reflexão sobre a prática da espiritualidade das organizações. Para Lowney, o líder do futuro terá de “desenvolver competências, profundamente espirituais” para manter as pessoas nas organizações.

Para Lowney, a inteligência artificial pode “ajudar-nos a melhorar a performance, através de dados”, mas nunca poderá substituir o papel “transcendente” de uma liderança espiritual. “Ser solidário, partilhar uma missão comum, promover o respeito mútuo e motivar, são fatores que não se conseguem pesar, são valores profundamente espirituais”, realça.

Combater o “medo de si próprio”, desenvolver coragem, a confiança, integridade, a compaixão e a capacidade de comunicar, são alguns traços de uma liderança mais humana, defende Lowney. Para terminar, o seminarista norte-americano deixou um conselho a todos os líderes: “Fazer uma pausa mental” diária para “agradecer”, “abrir horizontes” e “rever o seu dia”.

O Leadership Summit 2019 trouxe ainda a debate o ambiente e as alterações climáticas, por serem temas que “nos obrigam a caminhar juntos”, e fazem parte da equação da liderança do futuro. O debate “verde” fez-se a três vozes, com Eduardo Rêgo, a voz da BBC Wild Life e fundador da associação Loving Planet, Francisca Salema, uma das organizadoras da greve climática de 27 de setembro, e Diogo Alves, curador da Global Shapers do Fórum Económico Mundial em Lisboa. Os três concluíram que é necessário “trabalhar em conjunto” e, para Eduardo Rêgo, esta é “uma pergunta sacramental”, que deve ser respondida “com a própria vida e com o próprio comportamento”.

Liderança: o poder de “devolver”

Para fechar o dia de conferências, Pedro Afonso, CEO da VINCI Energies Portugal, subiu ao palco para pensar a liderança como “uma oportunidade de devolver”, tendo por base o livro que está a escrever “Leadership: “The power of giving back“. Para o ajudar a encontrar respostas convidou alguns especialistas de áreas distintas como a neurociência, a música e a filosofia.

Tal como um líder numa organização, “o sucesso de um maestro passa pela forma de transmitir a mensagem e lidar com qualquer coisa que não esperava, até no som que lhe é transmitido”, exemplificou a maestrina Joana Carneiro. “Uma orquestra não é mais do que uma forma de tornar o nosso trabalho muito eficaz e eficiente”. Para o professor e filósofo António Caeiro, a filosofia pode ser útil para os gestores pela “utilidade e pragmatismo”. “Dar, restituir, agradecer, homenagear, são ideias que não têm um vetor unidirecional, mas implicam esta compreensão formal que somos uns com os outros”, acrescentou o filósofo.

Para o CEO Pedro Afonso, a liderança precisa de “mais espírito e atitude de altruísmo”, que se materializa na “devolução” ao outro, à sociedade, ou aos colaboradores de uma organização.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Leadership Summit 2019: Como liderar na idade do algoritmo?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião