Investidores expectantes deixam Wall Street à beira da linha de água

Na penúltima sessão da semana, Wall Street está à beira da linha de água. Os investidores estão preocupados, face aos dados da indústria e do emprego, e expectantes quanto aos números dos serviços.

Depois de terem sido conhecidos os números desanimadores da atividade industrial e da criação de emprego, os investidores estão agora expectantes quanto aos dados do setor dos serviços. Na penúltima sessão da semana, Wall Street está, assim, à beira da linha de água, com o peso da guerra comercial sobre a economia norte-americana a tornar-se cada vez mais evidente.

O índice de referência, o S&P 500, está a desvalorizar 0,08% para 2.885,24 pontos. Igual tendência está a ser registada pelo industrial Dow Jones, que está a recuar 0,21% para 26.024,94 pontos. Já o tecnológico Nasdaq está preso na linha de água.

De acordo com a Reuters, os investidores estão expectantes quanto aos dados relativos aos serviços norte-americanos, depois de terem ficado preocupados com os números relativos à atividade industrial e à criação de emprego.

“Se a contração no setor industrial se traduzir no enfraquecimento do bem maior setor dos serviços, então será o momento para ficarmos seriamente preocupados“, sublinha Hussein Sayed, da FXTM, citado pela agência de notícias referida.

De acordo com o departamento do trabalho norte-americano, as empresas dos Estados Unidos geraram, em agosto, menos emprego do que estava previsto. “As empresas estão mais cautelosas nas contratações”, foi sublinhado na nota conhecida na quarta-feira, que referia ainda que as empresas mais pequenas estão “especialmente hesitantes”.

Além deste dado desanimador, na terça-feira, o instituto que mede o pulso à saúde fabril dos EUA já tinha adiantado que a atividade industrial norte-americana está em mínimos de dez anos. O indicador de atividade industrial do país caiu para 47,8 pontos, um mínimo desde 2009, depois de em agosto já ter caído para abaixo da marca dos 50 pontos, nível que separa a contração da expansão. Estes resultados confirmam que a economia norte-americana já está a sofrer com a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos e deixam os investidores pouco confiantes na capacidade da economia crescer com força.

A propósito, os Estados Unidos anunciaram, esta quinta-feira, que vão impor tarifas punitivas a produtos da União Europeia, incluindo aeronaves, a partir de 18 de outubro. O Governo norte-americano tenciona impor tarifas adicionais de 10% a aeronaves dos países da União Europeia e 25% sobre “outros produtos”.

Na sessão desta quinta-feira, há a destacar ainda os títulos da PepsiCo, que valorizaram 2,10% para 136,75 dólares, depois de a gigante ter apresentado resultados melhores do que os esperados, no terceiro trimestre do ano. Em sentido inverso, os títulos da Tesla caem 5,62% para 229,47 dólares. Isto porque as produção da fabricante automóvel de Elon Musk ter ficado abaixo das expectativas dos analistas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores expectantes deixam Wall Street à beira da linha de água

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião