António Costa apresenta “Governo de continuidade”. Vai ser uma “legislatura muito exigente”

"Trata-se de um Governo coeso e de continuidade natural face ao governo que ainda está em funções", disse o primeiro-ministro à saída do encontro com o Presidente da Republica.

António Costa apresentou um Governo com 19 ministérios, com cinco caras novas. “Trata-se de um Governo coeso, de continuidade natural face ao Governo que ainda está em funções”, disse o primeiro-ministro à saída do encontro com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Vai ser uma “legislatura muito exigente“, salientou.

“Trata-se de um Governo coeso, de continuidade naturalmente face ao Governo que ainda está em funções, e no qual procuramos reforçar o centro do Governo, tendo em conta que esta legislatura terá um período muito exigente em que teremos que acumular com as funções da presidência da Comissão Europeia”, começou por dizer António Costa aos jornalistas.

O Primeiro-Ministro salientou ainda o “reforço do centro do Governo com a criação de dois ministérios de natureza transversal” — o ministério do Planeamento e o ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública — “e a autonomização do ministério da Coesão Territorial”, salientando neste âmbito “o compromisso que todos temos de manter firme quanto à valorização do território e em particular dos territórios e baixa densidade”.

No quadro do novo Governo, António Costa fala em “continuidade da governação anterior”, mas “em melhor condições e mais reforçadas politicamente tendo em conta os resultados eleitorais”.

"Trata-se de um Governo coeso, de continuidade naturalmente face ao Governo que ainda está em funções, e no qual procuramos reforçar o centro do Governo, tendo em conta que esta legislatura terá um período muito exigente em que teremos que acumular com as funções da presidência da Comissão Europeia.”

António Costa

Primeiro-ministro

Perante os jornalistas, o Primeiro-Ministro destaca os quatro desafios estratégicos do programa do Governo e a sua distribuição por quatro ministros que “terão função de coordenação” desses temas. Nomeadamente, a Ação Climática no Ministro do Ambiente e Ação Climática; a Demografia na Ministra Estado e da Presidência; as Desigualdades na Ministra Estado e da Presidência; e a Transição Digital no Ministro Estado, da Economia e da Transição Digital.

“Creio por isso que estão criadas as condições para que concluído amanhã, desejavelmente, o processo de apuramento dos resultados, a Assembleia da República possa iniciar funções, e na próxima semana o Sr. Presidência da República possa dar a posse e nomear os ministros e toda a equipa governamental“. Neste contexto, António costa antecipa que a tomada de posse do novo Governo possa acontecer a 22 ou a 23 de outubro.

(Notícia atualizada às 19h35 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa apresenta “Governo de continuidade”. Vai ser uma “legislatura muito exigente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião