Pedro Silva Pereira: Bruxelas não aprovará “certamente” acordo de saída do Reino Unido esta semana

  • Lusa
  • 21 Outubro 2019

O vice-presidente da assembleia europeia sublinha que o Parlamento Europeu não irá votar o acordo de saída do Reino Unido enquanto os deputados britânicos não tomarem a decisão final.

O Parlamento Europeu não votará o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia enquanto a Câmara dos Comuns não tomar uma decisão final sobre o Brexit, confirmou, esta segunda-feiram Pedro Silva Pereira, excluindo uma ratificação europeia esta semana.

“O Parlamento Europeu (PE) não vai votar o acordo de saída do Reino Unido enquanto a Câmara dos Comuns não tomar uma decisão final. Isso significa que não vamos ter certamente uma aprovação do acordo de saída por parte do PE esta semana”, esclareceu o vice-presidente da assembleia europeia e membro do grupo diretor daquela instituição para o Brexit.

Em declarações aos jornalistas portugueses em Estrasburgo (França), após a reunião da Conferência de Presidentes do PE, na qual participou na qualidade de vice-presidente com o dossiê da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), o eurodeputado socialista justificou a opção com a necessidade de preservar “a dignidade” da assembleia neste processo.

“O PE, evidentemente, não pode ser colocado na situação de ter de entrar numa correria por um acordo que não sabe se a outra parte vai querer levar para a frente ou não. Primeiro, vamos aguardar que o parlamento britânico tome uma decisão final e depois o PE agirá. No entanto, queria também dizer que o PE tem a disponibilidade para estar pronto para qualquer eventualidade que acontecer no Reino Unido”, afiançou.

Essa disponibilidade, segundo Pedro Silva Pereira, poderia traduzir-se numa sessão plenária extraordinária na próxima semana, um cenário para já é “improvável”, mas que não está excluído, “caso venha a ser necessário”, e que poderá ser decidido pela Conferência de Presidentes na quinta-feira.

“A última informação que recebemos da Câmara dos Comuns é que o calendário que está previsto, proposto pelo Governo, admite que o processo vá-se prolongar nesta fase até à próxima quinta-feira. Depois ainda há uma intervenção da Câmara dos Lordes, depois o processo regressa à Câmara dos Comuns, e, portanto, neste momento, nós não sabemos quando o processo estará terminado aí”, notou

Perante a demora do processo de ratificação do lado britânico, o deputado europeu do PS não exclui que um novo adiamento do Brexit seja necessário, uma opção que aliás, como lembrou, já foi avançada pelo PE numa resolução votada em setembro.

“Diria que tudo depende do ritmo do procedimento de ratificação no Reino Unido e do seu resultado. Qualquer alteração ao acordo que venha a ser introduzida na Câmara dos Comuns é uma alteração substantiva ao acordo e obriga a repensar os termos das soluções encontradas. Qualquer alteração desse género evidentemente implica uma extensão. Fala-se também da possibilidade de um referendo ser proposto no âmbito destas emendas que estão a ser discutidas [em Londres], o que teria como efeito atrasar todo o processo de ratificação no Reino Unido”, sustentou.

O único eurodeputado português a pertencer ao grupo diretor do PE para a saída do Reino Unido pronunciou-se ainda sobre o pedido de prorrogação do Brexit até 31 de janeiro, feito no sábado pelo primeiro-ministro britânico, depois de o parlamento britânico ter aprovado uma emenda que suspendia a ratificação final do acordo até ser aprovada a legislação que regulamenta o texto negociado com Bruxelas, devido ao risco de o processo não estar completo até ao final do mês.

“Depende do que estamos a falar. Se na Câmara dos Comuns for deliberado realizar um referendo, é possível que esse prazo não seja suficiente. Se for deliberado fazer eleições, é preciso ver as consequências disso no procedimento negocial. O prazo vai depender muito daquilo que for decidido no reino unido. Por isso, o Conselho Europeu, tendo registado o pedido de adiamento do Reino Unido, não deliberou ainda porque deliberar significa deliberar se um prazo até 31 de janeiro é suficiente ou não”, analisou.

O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, recusou, esta segunda-feira, uma proposta do Governo britânico para submeter de novo a votação o acordo para o Brexit, alegando que uma moção sobre o acordo já havia sido apresentada aos deputados no sábado e que seria “repetitivo e confuso” debater novamente.

No sábado, o Governo acabou por retirar a proposta antes de ser votada devido à aprovação da emenda que suspendia a ratificação final do acordo até ser aprovada a legislação que regulamenta o texto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Silva Pereira: Bruxelas não aprovará “certamente” acordo de saída do Reino Unido esta semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião