Prison Insights debate promoção de reinserção social

A 2.ª edição do evento Prison Insights é já no próximo dia 30 de outubro. O evento internacional, organizado pela APAC Portugal e IMGT, vai reunir oradores nacionais e internacionais.

O Prison Insights está de volta e a 2.ª edição realiza-se já no próximo dia 30 de outubro. O evento, fruto de uma parceria entre a Associação APAC Portugal e o Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) e do qual o ECO é parceiro, vai reunir oradores nacionais e internacionais.

O Prison Insights pretende ser um momento de networking, para a partilha de conhecimento e soluções sobre a temática da empregabilidade no meio prisional como ferramenta central da reinserção social.

Os dados avançados pela plataforma One Value revelaram que cada recluso custa anualmente 15.330 euros ao Estado português, tendo somente em conta custos diretos. Já segundo a DGRSP (dados de dezembro de 2017), apenas 11,7% da população reclusa trabalha para entidades externas, “as únicas que, em princípio, terão maior possibilidade económica de viabilizar o vínculo laboral após a liberdade – factos cruciais no despoletar deste debate”, nota a associação.

A APAC, nesta 2ª edição do Prison Insights, “pretende facilitar a discussão pública e juntar todos os setores para um debate sério e informado sobre o trabalho em meio prisional; conversar acerca das soluções de emprego que existem para pessoas que já passaram por um período de reclusão; dar conta da oportunidade que surge para todas as empresas dentro do sistema prisional tendo em conta este panorama; e, por fim, dar a conhecer o sucesso e a experiência de grandes personalidades na área, que são a prova de que tudo isto é possível”, assegura Teresa Cardoso, presidente da APAC.

O evento contará com a presença de Michelle Cirocco (EUA), que lidera o departamento de responsabilidade social da Televerde. Michelle organizou ainda, recentemente, o inovador “TEDxPerryvilleCorrectional”, em Perryville, mostrando o potencial que existe quando damos uma segunda oportunidade a estas pessoas – tendo sido este o primeiro TEDx de sempre mantido numa prisão no Arizona.

Outra das presenças confirmadas é a de Jacob Hill (UK), fundador da Offploy Foundation, uma agência de recrutamento que apoia pessoas que já sofreram uma condenação a alcançar um emprego. Como refere J. Hill “a Offploy tem uma missão clara: reduzir a reincidência e tornar a sociedade mais segura, colocando pessoas que já foram condenadas no passado em empregos com sentido, orientados e estáveis”.

O evento contará ainda com Rómulo Augusto Mateus, diretor geral de reinserção e serviços prisionais, Jaume Farré, diretor do departamento de integração socio-laboral da Fundação La Caixa, Juan José Lopez, diretor do centro de reintegração da Catalunha, Rui Patrício, advogado penalista, Rita Nabeiro, diretora geral da Adega Mayor e administradora do Grupo Nabeiro – Delta Cafés, Sara Norte, atriz de teatro, cinema e televisão, entre outras personalidades.

Portugal coloca-se assim em posição no mapa-mundo da inovação e da empregabilidade de ex-reclusos, com o contributo fulcral de diferentes caras e parceiros.

“É com um sentimento de grande satisfação que o Instituto Miguel Galvão Teles se junta à APAC, mais uma vez, na realização deste evento. São projetos como este que refletem o trabalho que também desenvolvemos, e são as pessoas neles envolvidas que nos permitem ter a convicção plena de que, não só não podemos parar por aqui, como existe ainda muito mais caminho a percorrer… Até que não persista a mais pequena dúvida de que todos, sem exceção, têm a oportunidade, e o dever, de contribuir para iniciar um novo ciclo”, nota Rui Patrício, em representação do IMGT.

O IZA World of Labor concluiu num estudo por si realizado, comparando as taxas de reincidência daqueles que arranjavam um trabalho logo após a saída da prisão e dos que não tinham tal sorte, que existia, efetivamente, “uma forte correlação entre desemprego e reincidência”. “Estes dados, somados ao trabalho que a APAC tem vindo a desenvolver no terreno através dos seus programas, despertaram-nos para a importância de abordar este tema com profundidade, apresentando propostas inovadoras e que otimizem ao máximo os recursos disponíveis”, explica Duarte Fonseca, diretor executivo da APAC.

Nesta segunda edição do Prison Insights, a APAC Portugal alerta a sociedade portuguesa e as várias comunidades, para a necessidade emergente de um envolvimento de todos nesta área, mostrando que a mudança é possível, e que alcançar um emprego estável após o cumprimento de uma pena, “poderá não ser a chave para o sucesso cívico de uma sociedade, mas será com certeza o início para uma verdadeira reinserção social”, acrescenta Teresa Cardoso, presidente da APAC Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prison Insights debate promoção de reinserção social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião