Egípcia SWVL escolhe Lisboa para hub europeu. Quer contratar 150 pessoas

Scaleup egípcia abre esta terça-feira o primeiro escritório na Europa. Hub tecnológico vai ficar instalado no LACS Anjos, que ocupa o edifício remodelado do antigo Tribunal do Trabalho.

A scaleup egípcia SWVL acaba de chegar à Europa e escolheu Lisboa para instalar o seu hub tecnológico. Nos planos da empresa está a contratação de 150 pessoas para integrarem os escritórios da empresa, instalados no LACS Anjos, espaço de cowork que ocupa o edifício remodelado do antigo Tribunal do Trabalho.

Entre as prioridades da empresa está a contratação de pessoas para a área tecnológica, e para posições como head of engineering, data scientists ou developers.

“Tenho apoiado fortemente a decisão de Lisboa para o nosso tech hub. Lisboa tem uma imensa oferta de talento tecnológico, local e internacionalmente e iremos concentrar aqui o núcleo tecnológico do nosso negócio. Contrariamente a algumas empresas que escolhem Portugal para expandir funções de back-office, vemos o tech hub de Lisboa como um escritório estratégico e o plano é focarmos o desenvolvimento do produto a partir daqui”, explica Nádia Pais, diretora global de recursos humanos da SWVL.

"Vemos o tech hub de Lisboa como um escritório estratégico e o plano é focarmos o desenvolvimento do produto a partir daqui.”

Nádia Pais

Diretora global de recursos humanos

Fundada em 2017, no Cairo, a empresa criou uma solução que tem como objetivo mudar a forma como os locais viaja na região MENA, oferecendo um sistema de transporte de massa baseado numa aplicação que permite aos passageiros partilhar rotas comuns com uma tarifa plana, sem aumento de preço. De acordo com dados da empresa, o serviço da SWVL é 70% mais económico do que o da concorrência dos transportes partilhados.

Nos últimos dois anos, a scaleup angariou 73 milhões de euros em várias rondas de financiamento e tem conta, neste momento, com a maior ronda levantada por uma empresa egípcia, no valor de 36 milhões de euros. Presente em seis cidades de três países, a empresa conta já com 600 trabalhadores em cinco cidades e está a contratar mais de 100 até ao final deste ano, graças à abertura do tech hub em Lisboa e de mais dois escritórios.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Egípcia SWVL escolhe Lisboa para hub europeu. Quer contratar 150 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião