Lucro da Jerónimo Martins aumentou 3,5% para 302 milhões de euros

As vendas da Biedronka, marca do grupo na Polónia, atingiram os 9,2 mil milhões de euros, o que se traduz num crescimento de 8,3% em moeda local.

O lucro da Jerónimo Martins aumentou 3,5% para os 302 milhões de euros, nos primeiros nove meses do ano, comparativamente com o mesmo período do ano anterior. As vendas líquidas do grupo também cresceram, sendo que, desde o início do ano até setembro, aumentaram 6,7% para 13,7 mil milhões de euros, de acordo com os resultados comunicados à CMVM.

Nas marcas portuguesas do grupo, o desempenho não foi muito expressivo. O Pingo Doce registou um crescimento de vendas de 2,9% para 2,9 mil milhões de euros, enquanto as vendas do Recheio se cifraram em 757 milhões de euros, mais 2,5% do que no mesmo período do ano passado.

Já as vendas da Biedronka, marca do grupo na Polónia, atingiram os 9,2 mil milhões de euros, o que se traduz num crescimento de 8,3% em moeda local. Este desempenho terá sido potenciado por um “aumento do rendimento disponível das famílias”, aponta o grupo. A Biedronka tem no total 2.932 lojas, tendo inaugurado 46 e encerrado 14.

As vendas do grupo Jerónimo Martins nos primeiros nove meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano anterior.Jerónimo Martins

Já na Ara, marca na Colômbia, as vendas cresceram 27,6% e atingiram 560 milhões de euros. A Jerónimo Martins está a dar “prioridade ao acelerar do crescimento like-for-like“, ou seja, das vendas das lojas que operaram sob as mesmas condições nos dois períodos, da Ara “enquanto fator decisivo para a densidade de vendas e variável crítica para assegurar a rentabilidade da cadeia”, pode ler-se no comunicado.

O crescimento do EBITDA do grupo liderado por Pedro Soares dos Santos foi de 6,7%, para 757 milhões de euros. Nos primeiros nove meses do ano, o grupo investiu, ao todo, 405 milhões de euros, sendo que mais de metade foi na Biedronka. O investimento na marca do grupo na Polónia atingiu os 221 milhões, 55% do total.

(Notícia atualizada às 18h05)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da Jerónimo Martins aumentou 3,5% para 302 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião