Matos Fernandes quer mais incentivos à compra de carros elétricos

  • ECO
  • 24 Outubro 2019

Ministro do Ambiente diz que Portugal tem de investir na substituição de veículos movidos a combustíveis fósseis para ser neutro em carbono até 2050.

Há cada vez mais carros elétricos nas estradas, mas Matos Fernandes quer ainda mais para que seja possível a Portugal cumprir o compromisso de ser neutro em carbono até 2050. Neste sentido, o ministro do Ambiente defende que tem de haver uma maior “fatia” do Orçamento do Estado para apoiar a substituição de veículos movidos a combustíveis fósseis por elétricos.

“É uma transição que merece se apoiada e tem de ser apoiada“, disse João Pedro Matos Fernandes à TSF, numa entrevista realizada no âmbito do Portugal Mobi Summit. “É normal que estando em causa o superior bem público que é a descarbonização do país que o Estado ajude e apoie fiscalmente, com incentivos, essa mesma transição“, acrescentou.

O Estado tem apoiado a substituição de veículos movidos a combustíveis fósseis por elétricos com cheques tanto para automóveis como motas e, este ano, para bicicletas. O “bolo” é, no entanto, pequeno, cifrando-se em três milhões de euros.

Até ao momento, de acordo com dados do Fundo Ambiental, já foram entregues 1.064 “cheques” para a compra de automóveis elétricos — cujo valor varia entre os 3.000 euros para particulares e 2.250 euros para empresas –, havendo ainda verba para mais alguns. No caso das bicicletas, foram entregues 972 “cheques”, e no das motas foram concedidos 105 apoios.

Matos Fernandes diz que é preciso mais apoio público, salientado que “para sermos neutros em carbono até 2050 o país tem que investir mais dois mil milhões de euros do que seria expectável em cada ano”. Diz que 90% deste valor será da responsabilidade das famílias, na troca de veículos poluentes por elétricos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Matos Fernandes quer mais incentivos à compra de carros elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião