De que universidades saem os nossos governantes?

Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa formou 19 governantes. ISEG, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto também estão no topo.

Este sábado foi o dia de tomada de posse do novo Governo. A próxima legislatura vai contar com o maior executivo em quase 46 anos de democracia em Portugal: 19 ministros apoiados por 50 secretários de Estado. António Costa contará assim ao longo dos próximos quatro anos de governação com a ajuda de 69 governantes, grande parte deles formados nas mesmas universidades. Aliás, mais de metade do novo Executivo veio de apenas quatro “escolas”. Designadamente, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa, da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Entre os elementos do novo Governo verifica-se muita diversidade em termos de áreas de formação. Há licenciados em História, Antropologia, Sociologia, Bioquímica, Medicina, Arquitetura ou Linguística. Mastrês áreas que se destacam. Nomeadamente, Direito, Economia e Engenharia que conjuntamente ocupam mais de dois terços dos cargos do novo Executivo.

Mesmo considerando apenas essas três áreas há uma que sobressai: o Direito. Do total de 19 ministros e 50 secretários de Estado, 25 têm precisamente essa formação. À cabeça têm ainda o primeiro-ministro licenciado em Ciências Jurídicas-Políticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e advogado. Ou seja, mais de um terço dos membros do novo Executivo têm o direito como formação base. Entre os 19 ministros, sete formaram-se nessa área.

Entre esses sete ministros, dois deles — Siza Vieira e Eduardo Cabrita — formaram-se na mesma época e “escola” que António Costa: a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde acabaram por ficar amigos nos anos 80. Na mesma faculdade estudou a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem. A Faculdade de Direito de Lisboa é, aliás, de onde saiu o maior número de membros do novo Governo: 19.

Universidades com mais saídas de governantes

Já a maioria dos economistas que integram o Executivo liderado por António Costa teve a sua formação base no Instituto Superior de Economia e Gestão, da Universidade Técnica de Lisboa. São sete os governantes que se formaram neste instituto, figurando entre estes o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, o seu secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Mourinho Félix, bem como o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Segue-se em terceiro lugar, a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra de onde saíram cinco governantes. Entre estes figuram a ministra da Saúde, Marta Temido, ou o secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Tiago Antunes.

Também cinco elementos do novo Executivo estudaram na área das engenharias, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Entre estes estão o ministro do Ambiente e da ação Climática, João Matos Fernandes ou a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques. Formaram-se, respetivamente, em Engenharia Civil e Engenharia Eletrotécnica e de Computadores. Foi na mesma faculdade que se formou o mais jovem elemento da equipa do Governo: o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, que licenciou-se em Engenharia Civil.

O grosso dos novos governantes estudou em universidades públicas, mas há algumas exceções. É o caso do ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, que formou-se em Psicologia e Ecologia Comportamental no Instituto Superior de Psicologia Aplicada. Já o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, tirou gestão no ISLA, atual Universidade Europeia.

Há ainda um governante que se licenciou fora de Portugal. Em causa, o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, que se licenciou na London School of Economics.

Abaixo conheça em detalhe onde cada um dos membros dos 70 membros do novo Governo fez a formação base.

António Costa Primeiro-ministro Fac. Direito-Univ. Lisboa
Duarte Cordeiro Sec. Estado dos Assuntos Parlamentares ISEG-UTL
Tiago Antunes Sec. Estado Adjunto do Primeiro-ministro Fac. Direito-Univ. Lisboa
Siza Vieira Ministro do Estado, da Economia e da Transição Digital Fac. Direito-Univ. Lisboa
João Neves Sec. Estado Adjunto e da Economia ISEG-UTL
Rita Marques Sec. Estado do Turismo Fac. Engenharia-Univ. Porto
João Torres Sec. Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor Fac. Engenharia-Univ. Porto
André Azevedo Sec. Estado para a Transição Digital Fac. Direito-Univ. Lisboa
Augusto Santos Silva Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Fac. Letras-Univ. Porto
Ana Paula Zacarias Sec. Estado dos Assuntos Europeus FCSH – Univ. Nova Lisboa
Teresa Ribeiro Sec. Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Fac. Letras-Univ. Lisboa
Berta Nunes Sec. Estado das Comunidades Portuguesas Fac. Medicina-Univ. Porto
Eurico Brilhante Dias Sec. Estado da Internacionalização ISLA
Mariana Vieira da Silva Ministra de Estado e da Presidência ISCTE
André Caldas Sec. Estado da Presidência do Conselho de Ministros Fac. Direito-Univ. Lisboa
Rosa Monteiro Sec. Estado para a Cidadania e a Igualdade Fac. Economia-Univ. Coimbra
Cláudia Pereira Sec. Estado para a Integração e as Migrações ISCTE
Mário Centeno Ministro de Estado e das Finanças ISEG-UTL
Mourinho Félix Sec. Estado Adjunto e das Finanças ISEG-UTL
João Leão Sec. Estado do Orçamento Fac. Economia-Univ. Nova Lisboa
António Mendes Sec. Estado dos Assuntos Fiscais Fac. Direito-Univ. Coimbra
Álvaro Novo Sec. Estado do Tesouro Fac. Economia-Univ. Coimbra
João Gomes Cravinho Ministro da Defesa Nacional London School of Economics
Jorge Seguro Sanches Sec. Estado Adjunto da Defesa Nacional Fac. Direito-Univ. Lisboa
Catarina Castro Sec. Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes Fac. Direito-Univ. Coimbra
Eduardo Cabrita Ministro da Administração Interna Fac. Direito-Univ. Lisboa
Antero Luís Sec. Estado Adjunto e da Administração Interna Fac. Direito-Univ. Lisboa
Patrícia Gaspar Sec. Estado da Administração Interna ISCSP – UTL
Francisca Van Dunem Ministra da Justiça Fac. Direito-Univ. Lisboa
Mário Belo Morgado Sec. Estado Adjunto e da Justiça Fac. Direito-Univ. Lisboa
Anabela Pedroso Sec. Estado da Justiça FCSH-Univ. Nova Lisboa
Alexandra Leitão Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública Fac. Direito-Univ. Lisboa
Fátima Fonseca Sec. Estado da Inovação e da Modernização Administrativa Fac. Direito-Univ. Lisboa
José Couto Sec. Estado da Administração Pública Fac. Direito-Univ. Lisboa
Jorge Botelho Sec. Estado da Descentralização e da Administração Local Fac. Direito-Univ. Coimbra
Nelson Souza Ministro do Planeamento ISEG-UTL
José Mendes Sec. Estado do Planeamento Universidade do Minho
Graça Fonseca Ministra da Cultura ISCSP-UTL
Ângela Ferreira Sec. Estado Adjunta e do Património Cultural Fac. Arquitetura-UTL
Nuno Artur Silva Sec. Estado do Cinema, Audiovisual e Media FCSH – Univ. Nova Lisboa
Manuel Heitor Ministro da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior Instituto Superior Técnico-UTL
João Sobrinho Teixeira Sec. Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Fac. Engenharia-Univ. Porto
Tiago Brandão Rodrigues Ministro da Educação Fac. Ciências e Tecnologia-Univ. Coimbra
João Costa Sec. Estado Adjunto e da Educação Fac. Letras-Univ. Lisboa
Susana Amador Sec. Estado da Educação Fac. Direito-Univ. Lisboa
João Paulo Rebelo Sec. Estado da Juventude e Desporto Instituto Superior de Administração e Gestão
Ana Mendes Godinho Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Fac. Direito-Univ. Lisboa
Miguel Cabrita Sec. Estado Adjunto, do Trabalho e da Formação Profissional ISCTE
Gabriela Bastos Sec. Estado da Segurança Social Fac. Direito-Univ. Lisboa
Ana Sofia Antunes Sec. Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência Fac. Direito-Univ. Lisboa
Rita da Cunha Mendes Sec. Estado da Inclusão e Ação Social Universidade Portucalense
Marta Temido Ministra da Saúde Fac. Direito-Univ. Coimbra
Jamila Madeira Sec. Estado Adjunta da Saúde ISEG-UTL
António Lacerda Chaves Sec. Estado da Saúde Fac. Medicina-Univ. Coimbra
João Matos Fernandes Ministro do Ambiente e da Ação Climática Fac. Engenharia-Univ. Porto
João Galamba Sec. Estado Adjunto e da Energia Fac. Economia-Univ. Nova de Lisboa
Inês Costa Sec. Estado do Ambiente Instituto Superior Técnico – UTL
João Paulo Catarino Sec. Estado Conservação da Natureza, Florestas e Ordenamento do Território
Eduardo Pinheiro Sec. Estado da Mobilidade FCSH-Univ. Nova Lisboa
Pedro Nuno Santos Ministro das Infraestruturas e da Habitação ISEG-UTL
Alberto Souto Sec. Estado Adjunto e das Comunidades Fac. Direito-Univ. Coimbra
Jorge Delgado Sec. Estado das Infraestruturas Fac. Engenharia-Univ. Porto
Ana Pinho Sec. Estado da Habitação Escola Superior Artística do Porto
Ana Abrunhosa Ministra da Coesão Territorial Fac. Economia-Univ. Coimbra
Carlos Miguel Sec. Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional Fac. Direito-Univ. Lisboa
Isabel Ferreira Sec. Estado da Valorização do Interior Fac. Ciências-Univ. Porto
Maria Albuquerque Ministra da Agricultura Fac. Ciências e Tecnologia-Univ. Coimbra
Nuno Russo Sec. Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural Universidade de Évora
Ricardo Serrão Santos Ministro do Mar ISPA
José Apolinário Sec. Estado das Pescas Fac. Direito-Univ. Lisboa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De que universidades saem os nossos governantes?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião