Landing.jobs lança guia para contratar em Portugal

Startup portuguesa lança esta semana guia para ajudar empresas estrangeiras a contratar em Portugal.

A Landing.jobs quer ajudar as empresas internacionais a melhor contratar em Portugal. Para isso, lança esta semana, num evento paralelo ao Web Summit, a primeira edição do guia “Hiring in Portugal”, um projeto que este em desenvolvimento durante os últimos meses.

“A ideia de escrever o livro surgiu por insistência”, conta Pedro Oliveira, CEO e cofundador da startup, uma plataforma que serve de intermediário entre empresas e trabalhadores no setor tech. “Ao longo destes anos — especialmente desde que o Web Summit veio para Portugal, para Lisboa –, têm sido muitos os contactos por parte de empresas internacionais — grandes ou pequenas –, que nos perguntam como é que funciona Portugal”, recorda. Os pedidos de ajuda, “mais de duas centenas, sem dúvida”, levaram a empresa a começar a pensar num formato que se adequasse às necessidades do mercado e que respondesse às perguntas tantas vezes repetidas.

“O projeto surge, por isso, numa perspetiva de criação de valor, que surge num primeiro momento para criar algo mais consistente que passe informação a estas organizações, a estas empresas. É uma proposta de valor para empresas que estão a equacionar recrutar em Portugal”, acrescenta Pedro Oliveira.

De acordo com a Landing.jobs, os principais desafios para contratar em Portugal passam, numa primeira fase, por conhecer bem a cultura portuguesa. “O ‘Hiring in Portugal’ aborda mesmo esse tema. Há que montar o recrutamento mas, antes disso, fazer um planeamento e uma estratégia, e só depois montar os processos antes de avançar no mercado”, detalha Pedro Oliveira.

“Por fim, fazer a aquisição de talento, especialmente no mercado em que estamos e na área das tecnologias, é extremamente complicada a tarefa de atrair o talento certo, e as empresas têm de investir nessa componente de atração, de avaliação, e também na componente de engagement com o talento, para garantir que as contratações acontecem”, acrescenta, apontando uma das principais debilidades do mercado. “O que noto é que há muito pouca cultura de gestão nesta componente de talento. É visto sempre como mais uma função da área de recursos humanos, e eu não acredito nisso. Acredito que a área de recrutamento é uma área por si só, evidentemente com relações fortíssimas com a área de people operations. Mas estará naturalmente sob a alçada dos líderes das empresas”.

A Landing.jobs trabalha com empresas como a Volkswagen, a Daimler e a Cloudflare, ajudando-as a contratar nos mercados onde operam. O lançamento do primeiro guia “Hiring in Portugal” — que deverá ser atualizado anualmente — está marcado para esta quarta-feira, 6 de novembro, no escritório novo da empresa, em Lisboa. O projeto conta com o apoio da Startup Portugal e da revista Pessoas.

“Algumas das componentes do livro são sobre eventos, organizações, e Portugal não é um país estático — pelo contrário, é um país bastante dinâmico –, por isso temos de atualizar. Um livro tem de ser sempre acompanhado de um site, parceiros — momentos físicos pontuais à volta do livro. Quem sabe, no futuro, ter um espaço no Web Summit, para promover Portugal como destino para as suas equipas”, acrescenta o responsável.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Landing.jobs lança guia para contratar em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião