Landing.jobs lança plataforma “work” para aproximar contractors e empresas

Depois de uma plataforma de recrutamento e de uma conferência focada no desenvolvimento de carreira, startup portuguesa lança plataforma para aproximar contractors e empresas.

A Landing.jobs anunciou esta quarta-feira a criação do terceiro produto da marca: depois da plataforma de recrutamento e da conferência focada no desenvolvimento de carreira, ambas direcionadas para o setor tech, a startup portuguesa vai lançar em outubro [para quem fez pré-registo] a Landing.work, uma plataforma que tem como objetivo aproximar a interação entre contractors e empresas. A abertura da plataforma a toda a comunidade acontecerá em janeiro de 2020.

A ideia é ajudar os contractors a assumir o controlo da sua carreira, tornando-os independentes das empresas de staffing ou outsourcing e juntando-os com projetos e/ou clientes adequados para o seu perfil. “Ao assumir um maior controlo sobre a sua carreira, o contractor passa também a ter apoio permanente nesta gestão. Dispensando uma série de intermediários e ligando o talento diretamente com o cliente, pretende-se que todo o mercado se torne mais eficiente”, explica a empresa em comunicado, acrescentando que a plataforma dá a possibilidade de conseguir salários mais altos e flexibilidade para escolher clientes e projetos. Além disso, a Landing.work atuará também na mediação de pagamentos e no apoio à gestão das empresas unipessoais dos utilizadores da plataforma.

O mercado de trabalho está a encaminhar-se para uma configuração mais dinâmica, em que tanto as empresas como o talento dão preferência a interações laborais mais específicas e compensatórias, vinculadas a projetos, ao contrário das relações mais estáveis e duradouras que o caracterizavam. A Landing.work procura dar resposta, assim como facilitar esta tendência”, explica Pedro Oliveira, responsável pelo projeto.

Na prática, a plataforma terá três vertentes: conhecimentos técnicos, conhecimentos de inglês e soft skills. A partir do momento em que um membro seja aceite para integrar a comunidade, passa a poder candidatar-se a qualquer projeto que se adeque ao seu perfil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Landing.jobs lança plataforma “work” para aproximar contractors e empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião