Sete em cada dez reconhecem impacto das redes sociais no recrutamento profissional

Como é que a tecnologia tem afetado o trabalho? É essa a pergunta que serve de mote ao novo estudo da CRL, que conclui que 7 em cada 10 já reconhecem o efeito das redes sociais no recrutamento.

À boleia das transformações tecnológicas e da digitalização, os modelos de recrutamento profissional estão a mudar, sendo já notório o impacto das redes sociais nesses processos. Isso mesmo assinalam 68% dos inquiridos do estudo “A economia digital e a negociação coletiva”, divulgado esta quinta-feira pelo Centro de Relações Laborais (CRL).

O estudo em causa pretende medir os impactos da “chamada economia digital no trabalho e no emprego, no contexto da realidade portuguesa e na perspetiva da contratação coletiva”. Para tal, foram questionados empregadores, representantes de empresas, comissões de trabalhadores, sindicatos e até um centro tecnológico sobre a evolução do emprego, o teletrabalho, a robótica, a segurança, a formação profissional e os modelos de recrutamento e contratação.

A propósito desse último ponto, 68% dos inquiridos fizeram questão de sublinhar o impacto das redes sociais no recrutamento, ainda que a entrevista presencial e o recrutamento junto de universidades se mantenham as técnicas predominantes.

No que diz respeito ao modelo de contratação, a prestação a tempo inteiro mantém-se a principal escolha na área financeira, do planeamento, dos recursos humanos e do serviço a clientes, ficando o modelo em turnos concentrado sobretudo na área da produção.

Questionados sobre que apostas se devem fazer para assegurar o acompanhamento da evolução tecnológica, os trabalhadores frisaram um “maior investimento na flexibilização dos regimes de trabalho, maior diálogo, reforço da formação profissional e a melhoria da qualidade dos equipamentos”. Do lado dos empregadores, a resposta foi mais sucinta. Defenderam uma aposta na informação e na formação “de modo a facilitar a adaptação à evolução tecnológica”.

Além disso, o estudo da CRL concluiu que, no quadro da contratação coletiva, já há “alguma incidência da economia digital”, mas nota que a presença do teletrabalho, dos meios de comunicação eletrónica, dos meios de vigilância eletrónica nas “320 convenções” de contratação coletiva estudadas ainda é “pouco significativa”.

Ainda assim, a CRL sublinha que “parece estar consolidada a ideia da utilidade da intervenção da negociação coletiva nestas matérias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sete em cada dez reconhecem impacto das redes sociais no recrutamento profissional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião