Disparidade salarial entre homens e mulheres no setor tecnológico está a diminuir

As mulheres que trabalham no setor tecnológico sentem que a desigualdade de género nesse campo está a diminuir, embora ainda haja muito trabalho pela frente.

O setor tecnológico está a testemunhar grandes mudanças e prova disso é que a disparidade salarial entre homens e mulheres está a diminuir. De acordo com uma pesquisa realizada durante o Web Summit, no mundo tecnológico está a haver uma positiva evolução, estando a ser alcançado um equilíbrio em termos de género anualmente.

O Web Summit não serve apenas para conhecer e investir em startups e negócios. Também é uma “ferramenta” útil para apurar estatísticas, principalmente do setor tecnológico, que é o foco desta cimeira. E foi isso que um grupo de mulheres de mais de 60 países — oradoras, investidoras, fundadoras e participantes — decidiu fazer: avaliar a presença e a importância do mundo feminino na tecnologia.

Os resultados mostram que a maioria dos entrevistados sente que o setor tecnológico se tornou mais equilibrados nos últimos 12 meses: 42% acredita que o gap entre homens e mulheres se tornou mais equilibrado, enquanto 32% ainda não tem tanta certeza quanto a isso. Estes números mostram uma evolução relativamente à mesma pesquisa do ano passado, em que apenas 34% dos entrevistas acreditava neste equilíbrio.

No que diz respeito aos salários, 46% das mulheres diz sentir que são pagas “na mesma medida” que os colegas do sexo masculino, mas 32% acredita que continuam a ser desfavorecidas relativamente aos homens. Ainda assim, estes números também mostram uma melhoria face ao ano passado, em que apenas 37% acreditava que havia igualdade.

“Há pessoas em todo o mundo que estão a começar a lutar cada vez mais contra a diferença de género. Por isso, agora, é altura de lutar por mais”, disse uma das entrevistadas.

A mesma pesquisa concluiu ainda que a maioria das mulheres que trabalha no setor tecnológico se sente respeitada, confiante e “poderosa” nas suas funções: 78% sentem-se respeitadas pelos homens e 74% sentiram-se capazes de ir atrás de cargos de liderança. No entanto, 40% ainda concorda que “muitas mulheres recebem cargos de liderança para preencher estatísticas”.

“É assim que funciona Não espero nem peço para ser tratada da mesma maneira. A minha feminilidade faz parte de mim. Tudo o que peço é respeito e confiança no que faço, o resto é subjetivo“, disse outra entrevistada. “A minha empresa normalmente prefere promover homens para cargos de liderança”, referiu outra inquirida.

De um modo geral, 50% das entrevistadas acreditam que a sociedade precisa de mudar no que toca à igualdade de género no setor tecnológico, mas os Governos ainda têm muito a fazer nesse sentido. 47% das inquiridas disse que o Governo do seu país não faz o suficiente pela igualdade de género.

“Não tenho certeza que o problema seja o Governo, mas devemos ter melhores políticos a torcer pelas mulheres, a conversar sobre as carreiras e a tornar mais fácil que os homens cuidem da família”, disse uma das entrevistadas. “Embora as iniciativas governamentais sejam louváveis, acredito que o primeiro passo deve vir sempre da educação e das próprias pessoas”, acrescentou outra.

“No Web Summit, o nosso compromisso com a mudança, no que diz respeito a diminuir a desigualdade de género na tecnologia, sempre foi uma prioridade para nós. Estamos orgulhosos de que, este ano, 46,3% dos nossos participantes sejam mulheres“, diz Nida Shah, COO do evento, citada num documento enviado pelo Web Summit.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Disparidade salarial entre homens e mulheres no setor tecnológico está a diminuir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião