CMVM diz que empresas têm preocupação crescente com fatores ambientais e sociais

  • Lusa
  • 12 Novembro 2019

Incluir fatores ambientais e sociais na gestão pode traduzir-se numa maior confiança em relação ao funcionamento dos mercados financeiros e das instituições, diz o relatório da CMVM.

As empresas consideram que têm uma preocupação presente e crescente com a inclusão de fatores ambientais, sociais e de governo na gestão dos seus negócios, segundo o relatório da CMVM que sintetiza as respostas à consulta sobre finanças sustentáveis.

A consulta sobre finanças sustentáveis obteve a reação de 17 entidades – caso de empresas, associações representativas do setor empresarial e financeiro e de consumidores –, que deram conta do seu posicionamento face a fatores ambientais, sociais e de governo e os desafios que se colocam na adoção de práticas que contribuam para um sistema económico e financeiro mais sustentável.

Nas conclusões do relatório, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) considera que “as entidades envolvidas na consulta pública revelaram que a integração dos fatores ESG [ambientais, sociais e de governação, na sigla em inglês] nas suas organizações e nos processos de tomada de decisão, ainda que de modo diferente consoante o modelo de negócio e setores de atividade, é uma preocupação presente e crescente”.

Segundo o regulador dos mercados financeiros, foi destacado o impacto positivo da integração desses fatores “para os investidores e a sociedade em geral, consubstanciado numa maior confiança em relação ao funcionamento dos mercados financeiros e das instituições”, até para responder às exigências das gerações mais novas (Millennials e Geração Z).

No relatório, conhecido esta terça-feira, é dito que no caso do setor bancário e financeiro foi salientada, por exemplo, a importância de “análise dos riscos ambientais dos investimentos e do impacto ambiental da atividade bancária” ou da oferta de instrumentos financeiros ligados a empresas inovadoras no setor das energias limpas.

Na governação, as empresas falaram de maior transparências mas também na seleção de fornecedores com base em critérios de sustentabilidade, que sejam escolhidos os que “possuem boas práticas ambientais, sociais e de governação, que cumpram os deveres legais e não violem direitos humanos, preferência a fornecedores locais”.

Entre as preocupações sociais foram referidas, entre outras, condições laborais e de igualdade de género no trabalho ou proteção da parentalidade. Entre as principais dificuldades referidas, segundo a CMVM, os inquiridos falaram no risco de este ser um tema “da moda” e a falta de critérios para “cumprimento de forma objetiva” dos fatores ESG.

“Uma associação setorial referiu como um dos principais desafios a transição de setores e de atividades atualmente ainda não sustentáveis, realçando a importância de se apoiarem os setores de atividade que, encontrando-se em situações de partida desfavoráveis, necessitem de fazer a transição. Caso contrário, poderão criar-se efeitos colaterais adversos, levando até ao encerramento de empresas”, refere também a CMVM.

Sobre o impacto destes fatores nos lucros dos seus negócios, segundo a CMVM, os participantes consideraram que “a integração de fatores de sustentabilidade é importante para a criação de valor no médio e longo prazo”.

Contudo, admitem que há a barreira no setor empresarial do “foco excessivo dos investidores no retorno financeiro de curto prazo e na pressão dos resultados trimestrais”.

Os participantes consideraram ainda que seria importante “a criação de subsídios, incluindo fiscais, a redução de taxas ou a criação de outros incentivos” para que as empresas tenham mais incentivos para oferta de produtos e de serviços que integrem fatores de sustentabilidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM diz que empresas têm preocupação crescente com fatores ambientais e sociais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião