Portugal perde cimeira UE-África para a Alemanha

Marcelo Rebelo de Sousa adiantou que o Governo tinha dito que cimeira se realizaria durante a presidência portuguesa. Porém, a cimeira será antecipada e irá realizar-se durante a presidência alemã.

A cimeira EU-Africa já não vai realizar-se durante a presidência portuguesa da União Europeia, depois o presidente do Conselho Europeu ter decidido antecipar a realização da cimeira para o período em que decorrerá a presidência alemã, uma cimeira que Marcelo Rebelo de Sousa deu como garantida durante o verão.

A decisão de antecipar a cimeira partiu do novo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e teve o acordo dos restantes países, incluindo de Portugal, que já estará a trabalhar com a equipa que prepara a presidência alemã para ajudar na organização da cimeira, apurou o ECO, junto de várias fontes com conhecimento da decisão.

Ao contrário do que aconteceu em 2007, a cimeira UE-África realiza-se na Europa, mas a expectativa das autoridades portuguesas era de que esta se realizasse durante o período em que Portugal tem a presidência rotativa da União Europeia.

Em causa poderá estar também uma mudança de liderança na União Africana, o parceiro do continente africano na organização desta cimeira, que acontece em fevereiro de 2021.

O ECO questionou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, que disse apenas que a data em que a cimeira se irá realizar “será acertada entre as entidades competentes das duas organizações”, explicando que do lado europeu “será determinante a decisão a tomar pelo próximo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel”, que assume a presidência do Conselho Europeu no próximo domingo.

Fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros adianta que “a data terá de inscrever-se no intervalo temporal entre 2020 e 2021, devendo atender-se ao de facto de a União Africana mudar de Presidência em fevereiro de 2021 e ocorrer também por essa altura a eleição e entrada em funções de uma nova Comissão da União Africana”, mas garante que a relação entre Europa e África será uma das grandes prioridades da futura presidência portuguesa.

“Isso já foi oportunamente comunicado por Portugal e fará parte, nesses termos, do nosso programa. Há muitos processos em curso entre a União Europeia e a União Africana com perspetivas de desenvolvimento ou conclusão durante a Presidência Portuguesa, designadamente nos planos económico, comercial e da cooperação. Qualquer que seja, portanto, a data, o local e o formato da Cimeira UE-UA, a Presidência Portuguesa contribuirá certamente para a sua realização e/ou para a implementação das suas decisões, assim como para o avanço das relações entre os dois continentes. Foi assim nas presidências anteriores de Portugal, será assim na próxima”, diz a mesma fonte das Necessidades.

A 4 de julho, o Presidente da República anunciou publicamente que “o Governo já disse” que a cimeira se iria realizar no primeiro semestre de 2021, durante a presidência de Portugal do Conselho da União Europeia.

“A presidência da União Europeia por Portugal no primeiro semestre de 2021 terá uma cimeira entre Europa e África Terá, como já teve uma vez, sob a presidência portuguesa”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, durante uma conversa com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, na segunda edição do “EurAfrican Forum”, considerando que isso “não é por acaso”.

Publicamente, o Governo não foi tão longe. Na mesma conferência, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que Portugal tem uma “responsabilidade específica”, de pivot, no novo relacionamento que se quer entre a Europa e África.

O primeiro-ministro, António Costa, já tinha declarado, no início deste ano, que “a próxima presidência portuguesa da União Europeia, em 2021, terá como tema fundamental o das relações entre a União Europeia e continente africano”.

A primeira cimeira UE/África foi promovida por Portugal, durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, e realizou-se no Cairo, em 2000.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal perde cimeira UE-África para a Alemanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião