Barbie quer provar que “Podes ser o que quiseres”

Enquadrado no projeto mundial "Dream gap", a Mattel lançou em Portugal o programa escolar "Tu podes ser o que quiseres".

A Barbie quer continuar a provar às meninas e aos meninos do mundo que podem sonhar e ser o que quiserem. Para isso, a Mattel, criadora e dona da boneca mais famosa do mundo, lançou esta terça-feira o programa escolar “Tu podes ser o que quiseres”, um projeto que tem como objetivo valorizar o papel da mulher na história nacional e inspirar os adultos de amanhã a sonharem sem limites.

“Desde que a Mattel foi fundada, em 1959, a criadora da Barbie sempre achou que a boneca representava a liberdade de escolha das mulheres. Sei que, para muita gente, é quase polémico mas, nestes 60 anos de história da Barbie, esteve sempre um passo à frente do que se vivia, e a inspirar as mulheres. Por exemplo, em 65, a primeira mulher astronauta foi a Barbie. Quatro anos antes de o Homem ir à lua. Em 72, a Barbie foi cirurgiã, quando a profissão era, nessa altura, vedada às mulheres”, explica Sara Marçal, market developer da Mattel em Portugal, à revista Pessoas.

Em 65, a primeira mulher astronauta foi a Barbie. Quatro anos antes de o Homem ir à lua. Em 72, a Barbie foi cirurgiã, quando a profissão era, nessa altura, vedada às mulheres.

Sara Marçal

Market developer da Mattel

Na prática, o projeto disponibiliza, online, materiais didáticos para serem aplicados na sala de aula e que qualquer pessoa pode descarregar. Os conteúdos serão relacionados com as histórias de quatro mulheres portuguesas que a marca quer que sirvam de role models a crianças estudantes do ensino básico, numa primeira fase.

Além disso, três escolas portuguesas podem candidatar-se a ter a embaixadora do projeto, Mariana Monteiro, presente na sua instituição. As inscrições para este desafio decorrem entre 16 de dezembro e 21 de fevereiro e, a concurso, estarão pósteres que as escolas desenvolvam e partilhem e que contem com quatro personalidades femininas da sociedade moderna em quatro áreas-chave: cultura, ciência, desporto e política.

O projeto escolar “Podes ser o que quiseres” está integrado no Dream Gap, iniciativa global que procura combater a fase de autorreconhecimento com que as meninas se deparam na infância.

“Um estudo internacional feito pela Mattel acabou por provar que existe um gap entre os cinco e os sete anos, as raparigas começam a ter um decréscimo na sua confiança e segurança, em relação aos rapazes. É isso que nós queremos mudar”, esclarece Mariana Monteiro.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Barbie quer provar que “Podes ser o que quiseres”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião