OA enganou-se no vencedor para o Conselho Deontológico

Um erro na aplicação do método de Hondt levou à vitória de Paula Alexandra Ferreira no Conselho Deontológico do Porto, ao invés de Orlando Carvalho Leite.

A comissão eleitoral da Ordem dos Advogados (OA) anunciou erradamente Paula Alexandre Ferreira, candidata da lista Z, como vencedora do Conselho Deontológico do Porto, sendo o adversário, Orlando Carvalho Leite, candidato da lista V, o real vencedor, conforme avança o jornal Público [acesso pago].

Nos passados dias 27, 28 e 29 de novembro estiveram a decorrer as votações para os órgãos nacionais e regionais da OA e os resultados foram anunciados na noite de sexta-feira. Face ao erro na divulgação dos mesmos, a Comissão Eleitoral garante que ocorreu apenas uma má aplicação do método de Hondt, que levou à vitória de Paula Alexandre Ferreira.

“Pese embora não tenha sido comunicado o número de votos, aquando da divulgação dos resultados apurados para o Conselho de Deontologia do Porto, e mau grado ter sido correta a contabilização das respetivas votações, foi feita uma ordenação dos candidatos que incorreu em manifesto lapso, por erro na aplicação do método de Hondt“, notou a Comissão Eleitoral em comunicado.

O processo eleitoral encontra-se a ser auditado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação e Desenvolvimento (INESC-ID) que prevê divulgar um “relatório circunstanciado da ocorrência nos próximos dias”, refere a comissão eleitoral. Existe já quem levante dúvidas sobre a fiabilidade da votação e admita impugnar as eleições.

Aquando da revelação dos resultados eleitorais na passada sexta-feira, a comissão eleitoral acedeu a vários ficheiros, que foram abertos numa cerimónia pública que ocorreu no Salão Nobre da OA, em Lisboa. Todos os órgãos da Ordem dos Advogados viram ser revelados durante a cerimónia a lista com o número de votos de cada candidato, com exceção dos sete conselhos deontológicos. Este órgão ficou de fora deste procedimento e apenas viu serem revelados os nomes dos vencedores e os respetivos mandatos.

Após o envio das votações para os conselhos regionais, o erro foi notado e reportado à comissão eleitoral. “O problema ocorreu na conversão do ficheiro de apuramentos de resultados no ficheiro de PDF que estava a ser visualizado por todos”, assegurou Ricardo Brazete, presidente da comissão eleitoral, ao Público.

Inicialmente, Paula Alexandra Ferreira, da lista Z, garantiu 15 mandatos, sendo agora os mesmos reduzidos a sete (2.440 votos). Por outro lado, Orlando Carvalho Leite, da lista V, obteve sete mandatos, e após o erro aumentou os lugares para oito (2.988 votos).

O atual bastonário Guilherme Figueiredo, e um dos candidatos na segunda volta, garante que a votação “correu de forma excelente” e que o foi um “processo auditado”. O adversário do atual bastonário na segunda volta, Luís Menezes Leitão, lamentou a situação e garante que “os resultados foram auditados”.

Pela primeira vez, os vários órgãos nacionais e regionais da OA foram eleitos através de voto eletrónico. A extinção do voto em papel foi aprovada em julho, em assembleia geral, ainda assim não foi consensual a implementação do novo método.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OA enganou-se no vencedor para o Conselho Deontológico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião