Abreu Advogados premeia trabalho de investigação

A sociedade Abreu Advogados vai premiar com 7.500 euros e a publicação do texto o vencedor do Prémio Abreu Advogados. A iniciativa é promovida pelo Instituto do Conhecimento da sociedade.

A sociedade Abreu Advogados vai atribuir um prémio, promovido pelo Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados, que visa incentivar a realização de investigação de excelência em domínios inovadores e com relevância para a prática da advocacia.

Com a iniciativa a sociedade pretende “aproximar a produção académica da prática jurídica realizada no âmbito das sociedades de advogados” e encontrar “soluções para os problemas novos com os quais são diariamente confrontadas“.

“O Prémio Abreu Advogados reflete a estratégia de inovação que integra o ADN do Instituto do Conhecimento”, nota Luís Barreto Xavier, coordenador do Instituto do Conhecimento. O consultor para inovação da Abreu Advogados refere também que este prémio “procura não apenas aproximar a ciência jurídica portuguesa da prática da advocacia, mas também incentivar o conhecimento jurídico em áreas de caráter verdadeiramente inovador, como as finTech, o blockchain, os smart contracts, a inteligência artificial, a economia de partilha, a economia circular, ou os meios tecnológicos de resolução de conflitos.”

São elegíveis trabalhos em língua portuguesa ou em língua inglesa, submetidos como teses de doutoramento ou mestrado, bem outros textos de investigação, ainda que não submetidos a provas académicas. O autor do trabalho vencedor vai receber um prémio no valor de 7.500 euros e a publicação do texto pelas Edições Almedina.

“Para esta 4.ª edição do galardão bienal da Abreu, o regulamento foi reformulado no sentido de acentuar o caráter inovador dos trabalhos a submeter, bem como para exigir a relevância da investigação realizada para a prática jurídica numa sociedade de advogados de referência”, nota a sociedade.

O regulamento e o formulário do prémio está disponível no site da sociedade e os candidatos têm até 30 de dezembro de 2019 para submeter as candidaturas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abreu Advogados premeia trabalho de investigação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião