Punir funcionários do Fisco pela Operação Stop? “Quem tinha de assumir responsabilidades já o fez”, diz Mendonça Mendes

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse que o Governo nunca hesitou em considerar que as ações nunca deveriam ter acontecido, e defendeu a não punição dos trabalhadores do Fisco envolvidos.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, reafirmou esta quarta-feira que “o Governo nunca teve nenhuma hesitação” em considerar que as operações stop que a Autoridade Tributária realizou no norte do país “não deveriam ter acontecido”. No entanto, o responsável defendeu a decisão de não punir os trabalhadores da Autoridade Tributária, dizendo que quem tinha de assumir responsabilidades já o fez.

“O Governo nunca teve nenhuma hesitação nesta matéria e em considerar que este tipo de ações não deveria ter acontecido”, disse António Mendonça Mendes no Parlamento, numa audição da comissão parlamentar de Orçamento e Finanças sobre o relatório de combate à fraude e evasão fiscal.

O secretário de Estado reafirmou que a responsabilidade deste tipo de operações, de acordo com a lei, é da competência dos órgãos regionais da Autoridade Tributária, e não da liderança da Autoridade Tributária, nem do Governo. Ainda assim, diz que já retirou consequências do que aconteceu.

Aquilo que foi aquele episódio lamentável em Valongo permitiu-nos a todos retirar consequências e espero que nos tenha dado a possibilidade de termos processos mais bem conseguidos”, disse.

Quanto à ação disciplinar que acabou por não ser tomada na sequência do inquérito realizado pela Autoridade Tributária à responsabilidade pela realização destas operações, António Mendonça Mendes defendeu a posição tomada de não punir os trabalhadores, dizendo que quem teria responsabilidades — neste caso o diretor da AT no Porto — já tinha assumido as mesmas. Este diretor apresentou a sua demissão na sequência do caso.

“Parece-me mesmo correto que estes trabalhadores que foram expostos com este tipo de ação, não sejam alvo de ação disciplinar”, disse.

“Não fomos nenhum bloqueio” à diretiva para taxar multinacionais

Os deputados mais à esquerda aproveitaram a presença secretário de Estado dos Assuntos Fiscais para o confrontar com as notícias publicadas pelo Diário de Notícias, parte de uma investigação internacional, que dava conta de que o Governo português estaria a bloquear a aprovação de uma diretiva que permitia tornar conhecida a situação fiscal das grandes empresas multinacionais com operações na Europa.

Nessa notícia, o Diário de Notícias dizia que o Governo português estaria há dois anos sem tomar uma posição sobre a diretiva, defendendo que esta devia ser aprovada por unanimidade, juntamente com Malta, Chipre, Irlanda e Luxemburgo, todos eles países em que estas empresas têm sedes devido aos regimes fiscais mais vantajosos que existem nestes territórios.

António Mendonça Mendes disse aos deputados que o Governo português nunca bloqueou a diretiva, argumentando que os atrasos se deveram à falta de consenso em termos jurídicos dentro da própria Comissão em relação à proposta, e defendeu mesmo que Portugal foi decisivo para que este processo fosse desbloqueado.

“A base jurídica que a comissão apresentava não era sequer unânime para os serviços jurídicos. (….) Não fomos nenhum bloqueio a qualquer avanço nesta matéria. Pelo contrário, foi o nosso voto decisivo que permitiu que fosse ao Conselho da competitividade”, onde a proposta acabou por ser votada e aprovada, disse o responsável.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Punir funcionários do Fisco pela Operação Stop? “Quem tinha de assumir responsabilidades já o fez”, diz Mendonça Mendes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião