O que procuram os líderes num CV

Fazer um CV não é a tarefa mais atrativa do mundo mas esta é a primeira imagem que o recrutador tem de si. Espreite algumas dicas para projetar um CV resumido e que, ao mesmo tempo, mostre quem é.

A construção de um currículo pode ser uma tarefa trabalhosa mas não deve descurar a sua importância. Um bom CV é a primeira grande oportunidade de causar uma boa primeira impressão junto de um potencial empregador, aumentando consideravelmente a possibilidade de conseguir uma entrevista presencial. Por isso vale a pena investir tempo e esforço no seu conteúdo e apresentação.

A Pessoas falou com líderes de diferentes áreas e estas são algumas das dicas que eles lhe deixaram por forma a melhorar o seu currículo:

  1. Revisão do CV: Paulo Leitão, recruitment consultant na Experis, começa por alertar para a revisão do CV. “Sei que é uma questão que parece fácil e banal mas continua a ver-se várias vezes currículos com erros ortográficos. Utilizem o word check e vão conseguir corrigir este primeiro problema, mostrando que têm capacidade de organização e de rigor“. O consultor de recrutamento é o primeiro a admitir que fazer um CV não é uma tarefa muito atrativa mas, apesar de dar trabalho, é necessário ter em atenção alguns aspetos porque o CV será a primeira imagem que o recrutador terá de si.
  2. “Pegada digital” coerente com um CV organizado e criativo: Marta Caeiro, diretora de marketing e comunicação da Viacom Portugal (detentora da Paramount e canais como MTV e Nickelodeon), diz à Pessoas que “um bom curriculum tem de ser clean e bem organizado. Mas dependendo da função a que se candidata, há margem para trabalhar a sua fórmula de currículo. O CV pode ser a sua marca e a pessoa pode explorá-lo como uma ferramenta de comunicação sobre si. Nos dias de hoje também penso que é importante que a pegada digital da pessoa, no Linkedin ou outras plataformas, seja positiva e coerente com o currículo“.
  3. Mostrar quem é de forma atrativa: André Vieira, channel sales manager da Xerox, sendo “uma pessoa visual”, explica que gosta de um CV que lhe permita “numa visualização perceber a pessoa“. Desta forma, destaca como imprescindível a um bom currículo: nome em letras grandes, uma fotografia, as skills principais (de preferência com barras a definir o nível de competência) e resumidamente o percurso académico e profissional. No fundo, uma ou duas páginas é o ideal“.
  4. Ter um CV sucinto – esqueça a ideia do Europass: seguindo a ideia do 3.º ponto, Lúcio Marcelino, cofundador da Deploy (consultora de SAP), explica que, para um programador, o essencial é que o seu currículo seja “objetivo e focado nas principais mais-valias para a vaga a que a pessoa se candidata“. Assim, na sua opinião, a “experiência e as habilitações, ainda que resumidas, devem ter um destaque original, evidenciando, obviamente, os períodos profissionais em que exerceu as funções a que concorre atualmente”.
    Ser sucinto, também na perspetiva de Paulo Leitão, é outra das capacidades que deve demonstrar ao criar o seu CV. Contudo, “não convém a pessoa colocar apenas o nome da função, porque isso dificulta o trabalho do recrutador“. Se pensa que, por fazer isso, será mais bem-sucedido, que a empresa irá ligar-lhe para explorar mais o seu percurso e perceber se o seu perfil se enquadra na função, nem sempre é assim. Paulo explica que, por vezes, tem o efeito inverso pois, “nós temos pouco tempo e se vimos alguém que, automaticamente, tem a experiência que procuramos, damos-lhe prioridade“. O objetivo é ter um CV sucinto que, ao mesmo tempo, mostre algo de diferente dentro do que já conseguiu fazer (segundo o recruitment consultant é “isso que tem mesmo de constar”) e tenha uma breve descrição da função. Ao defender igualmente a parte visual do currículo, Paulo refere ainda que o Europass não é, por isso, uma boa opção, visto o seu tamanho e a dificuldade que cria na extração de informações essenciais dos candidatos. “Existem agora várias ferramentas online que dão a capacidade às pessoas de fazer CVs atrativos e com muitas das informações necessárias, como é o caso do Canva, do Easel.ly, do Kickresume, do CvMaker e do Flavors.me, por exemplo”.

Agora basta pôr mãos à obra e dar largas à sua imaginação. Projete um CV resumido e organizado onde, ao mesmo tempo, mostra quem é. Seja criativo e alinhe o documento com a sua presença digital. No final é só rever e certificar-se que não existe nenhum erro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que procuram os líderes num CV

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião