Nanny Portugal Agency e IEFP juntam-se para formar nannies

O seu sonho sempre foi cuidar de crianças? A Nanny oferece trabalho em famílias com alto poder económico, podendo ainda viajar com elas para vários destinos.

A Nanny Portugal Agency, em parceria com o IEFP e com o Centro de Formação e Reabilitação Profissional de Alcoitão, a Cidade das Profissões e a Câmara de Cascais, está a promover um curso de formação de “babysitting” a decorrer até 10 de janeiro de 2020.

O curso, exclusivo da Nanny Portugal School, incide na formação de cuidadores de crianças e possibilita, pela primeira vez, o recrutamento de nannies sem formação académica na área da educação, inscritas atualmente no centro de emprego.

Os participantes nesta formação poderão obter conhecimentos teóricos e práticos, abrangendo diversas temáticas, tais como primeiros socorros pediátricos, desenvolvimento da criança, segurança e bem-estar, desenvolvimento e saúde mental infantil, expressão plástica e musical e também competências de língua inglesa. Os restantes requisitos assentam sobretudo em soft skills, pelo que é fundamental ser uma pessoa organizada, com capacidade de multitasking e facilidade de adaptação a várias culturas e famílias. Visto a proximidade a bebés e crianças ser inerente a esta profissão, espera-se ainda que os formandos sejam carinhosos, pacientes e atenciosos.

Segundo a Nanny Portugal Agency, na agência não trabalham simples baby-sitters, nem tão pouco as convencionais amas: trata-se de nannies, técnicas qualificadas e especializadas em desenvolvimento infantil que são responsáveis por acompanhar e cuidar dos bebés e crianças. As nannies da agência asseguram vários serviços: por um lado, as internas ficam totalmente responsáveis pelas crianças e por todas as suas atividades; já as que trabalham em part-time vão buscar as crianças à escola, ajudam-nas nos trabalhos de casa, acompanham-nas às atividades extracurriculares, tratam dos banhos e preparam os jantares.

“Cada vez mais sentimos que é indispensável investir em recursos que incentivem a formação nesta área. (…) A crescente procura dos nossos serviços impõe-nos uma enorme necessidade de profissionais, o que nos motiva a formar candidatas que possam ser integradas de imediato no mercado de trabalho. E se, neste processo, pudermos ajudar pessoas em situação de desemprego, a nossa missão está cumprida”, afirma Filipa Almeida, criadora da Nanny Portugal Agency e Nanny Portugal School, citada em comunicado.

Apesar de comemorar dos 10 anos da agência e do seu ritmo de crescimento, o conceito é ainda inovador no contexto português e, como tal, esta é uma opção profissional pouco explorada no mercado nacional. Grande parte dos clientes da Nanny Portugal Agency são estrangeiros o que, algumas vezes, já serviu de passaporte para fora do país a várias nannies da empresa.

Contando já com mais de 80 colaboradores em cerca de 20 países, a profissão de nannie, apesar das restrições iniciais à sua integração, oferece um trabalho bem remunerado, em famílias com alto poder económico – de que são exemplo celebridades, jogadores de futebol e até mesmo xeiques árabes. As nannies têm ainda a oportunidade de viajar com as famílias para vários destinos, experienciando diversas atividades. O serviço prestado é adaptado de acordo com o intuito e as especificidades de cada família, pelo que o desempenho da função poderá ser enquanto nanny interna, externa ou exclusivamente direcionada para momentos específicos, como férias, noites ou pós-parto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nanny Portugal Agency e IEFP juntam-se para formar nannies

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião