PSD chama Centeno com urgência ao Parlamento para falar sobre novo regime de PPP

Os sociais-democratas querem ouvir o ministro das Finanças sobre o novo regime de PPP. O "aumento da discricionariedade" na constituição das PPP é uma das preocupações do PSD.

O PSD entregou esta sexta-feira um requerimento na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças para que o ministro das Finanças seja ouvido sobre o novo regime de parcerias público-privadas (PPP). Este pedido de audição junta-se aos pedidos de apreciação parlamentar que o Bloco de Esquerda vai entregar e o CDS defende.

Os sociais-democratas consideram que o novo regime de PPP introduz “profundas alterações” nas regras atuais em vigor desde 2012, as quais “suscitam grandes preocupações (…) desde logo porque parecem evidenciar uma diminuição da transparência e um aumento da discricionariedade na constituição das PPP, dificultando o respetivo escrutínio público”.

“Acresce que aparenta existir uma redução da intervenção e do poder de decisão do ministro das Finanças em todo o processo de constituição de parcerias, face à legislação que vigorou até ao momento, o que constitui também motivo de apreensão e cujas motivações devem ser esclarecidas”.

Estes motivos levaram o PSD a pedir que Mário Centeno seja ouvido com urgência na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças.

Entre as alterações previstas no diploma publicado na quarta-feira em Diário da República estão as seguintes:

O Governo aprovou no Conselho de Ministros a 21 de novembro um decreto-lei que altera as regras das PPP. Sendo um decreto-lei, o diploma foi diretamente para Belém, tendo merecido o aval de Marcelo Rebelo de Sousa esta segunda-feira.

Já esta quinta-feira, o Governo garantiu que o novo diploma das PPP “preserva inteiramente” os passos necessários para assegurar que os encargos para o Estado são calculados de forma correta, bem como a prova de que a PPP é a melhor opção para o Estado, quando comparada com outras soluções.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD chama Centeno com urgência ao Parlamento para falar sobre novo regime de PPP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião