Banco de Portugal considera “legítimo” que banca cobre comissões no MB Way

Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal, diz que há um serviço associado ao MB Way, razão pela qual os bancos têm toda a legitimidade para cobrar comissões na utilização da aplicação.

O Banco de Portugal considera “legítimo” e “razoável” que se cobre pela utilização da aplicação MB Way, embora tenha admitido que a forma como os bancos comunicaram as mudanças no preçário sobre a utilização desta aplicação não foi “muito avisada”.

Luís Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal, diz que se deve distinguir entre o acesso ao MB Way pela app do banco e o acesso fora da app do banco. E o que se verifica é que “os bancos têm estado a comissionar muito menos o MB Way quando o acesso é feito pela app dos bancos, o que me parece razoável“, disse Máximo dos Santos aos deputados.

O vice-governador admitiu que este é um dos casos em que “se calhar não foi um passo muito avisado do ponto de vista de perceções” que foram geradas a partir do momento em que os bancos começaram a anunciar a cobrança de utilização do MB Way. “Mas aqui há de facto um serviço e o comissionamento parece-me legítimo“, frisou.

A Comissão de Orçamento e Finanças ouviu esta sexta-feira o Banco de Portugal e a Associação Portuguesa de Bancos (APB) a propósito da política de comissionamento dos bancos portugueses e dos juros negativos.

Antes de Máximo dos Santos, a diretora-geral da APB tinha considerado que não deve haver alterações legislativas no âmbito das comissões bancárias, designadamente comissões que possam introduzir limitações no MB Way.

“Aquilo que a APB advoga é que não deve haver qualquer tipo de intervenção legislativa em cima daquelas que nós já temos, que altere e que crie mais condicionantes à capacidade que os bancos têm de fixar livremente os preços dos serviços que prestam”, referiu a Catarina Cardoso.

Na semana passada, o Bloco de Esquerda apresentou um pacote legislativo para proibir, por exemplo a cobrança de comissões que não têm serviços associados e em aplicações como o MB Way, criar uma Conta Básica Universal, propondo uma política de comissões da Caixa Geral de Depósitos.

Na audição, Máximo dos Santos rejeitou que o Banco de Portugal tenha feito “jeitinhos” a quem quer se seja ao permitir que os bancos apliquem comissões nos depósitos de grandes clientes financeiros. Explicou que “não tinha fundamento” que os bancos não pudessem cobrar a outros bancos, seguradoras ou fundos de pensões, dado que o tema da assimetria da informação não se aplica a estes clientes que têm gestão mais profissional.

(Notícia atualizada às 13h16)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal considera “legítimo” que banca cobre comissões no MB Way

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião