Bancos rejeitam nova legislação sobre comissões do Bloco de Esquerda

Bloco de Esquerda apresentou na semana passada um pacote legislativo para travar algumas comissões bancárias. A APB rejeita mais leis acima daquelas que os bancos já têm de cumprir nesta matéria.

A Associação Portuguesa de Bancos (APB) considera que não deve haver alterações legislativas no âmbito das comissões bancárias, designadamente comissões que possam introduzir limitações no MB Way.

Esta posição foi transmitida esta sexta-feira no Parlamento, depois de, na semana passada, o Bloco de Esquerda apresentou um pacote legislativo para proibir, por exemplo a cobrança de comissões que não têm serviços associados e em aplicações como o MB Way, criar uma Conta Básica Universal, propondo uma política de comissões da Caixa Geral de Depósitos.

“Aquilo que a APB advoga é que não deve haver qualquer tipo de intervenção legislativa em cima daquelas que nós já temos, que altere e que crie mais condicionantes à capacidade que os bancos têm de fixar livremente os preços dos serviços que prestam”, referiu a diretor-geral da APB Catarina Cardoso no Parlamento, esta sexta-feira. A APB foi ouvida pelos deputados no âmbitos os juros negativos na banca e também das comissões bancárias.

Segundo Catarina Cardoso, “se os bancos estão a cobrar um custo pelo serviço, é porque têm legitimidade para o fazer, porque entendem que ele tem subjacente um serviço que pressupõe custos associados”.

Sobre o MB Way, que permite realizar transferências entre contas bancárias e sobre as quais os bancos começaram este ano a aplicar comissões, a diretora-geral da APB notou que se mantêm as isenções para os clientes que utilizem a plataforma MB Way a partir das aplicações dos próprios bancos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos rejeitam nova legislação sobre comissões do Bloco de Esquerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião