Reagir depois da demissão? Veja o lado bom

Ser demitido não é uma experiência agradável. Contudo, aproveite essa situação para agarrar um novo desafio e começar de novo. Veja oito formas de encarar este momento da melhor maneira.

A demissão costuma estar associada a uma experiência de ansiedade e incerteza. Enfrentar esta situação profissional menos positiva é o primeiro passo para se abrir a novas oportunidades (que dificilmente surgiriam se continuasse no seu emprego). Deve afastar o pessimismo e fazer com que a situação se transforme na ocasião perfeita para começar de novo.

A Robert Walters, consultora em recrutamento e seleção, deixa-lhe oito lições que pode retirar de um despedimento:

  1. Tome-o como decisão profissional: uma demissão é uma decisão comercial, pelo que não deve assumir automaticamente que houve uma motivação pessoal contra si. Embora uma reestruturação na organização implique, muitas vezes, ter de haver despedimentos em algumas funções, tem de perceber que este é um dos métodos mais comuns para enfrentar períodos de redução de custos.
  2. Peça referências: “Assim que estiver ao corrente da sua nova situação laboral, deve elaborar um plano de ação detalhado que o levará a dar os primeiros passos”, sugere Marco Laveda, managing director da Robert Walters Portugal. Quando é despedido deve logo assegurar que deixa tudo organizado e pedir uma carta de recomendação, por exemplo. Uma boa comunicação com o seu responsável é imprescindível para pedir e conseguir boas referências. Compile toda a informação relevante sobre o seu posto e sobre os projetos que desenvolveu no tempo em que esteve na empresa, antes de abandonar a organização.
  3. Tire tempo para refletir: segundo Marco Laveda, este pode ser o momento ideal para que analise e aprofunde as suas ambições e os seus sonhos, além das suas motivações e necessidades de formação. Apesar da reação imediata ser encontrar logo outro trabalho, “há momentos em que é aconselhável usar o tempo e a compensação financeira da demissão para pensar no futuro”, refere o managing director. “É crucial não se deixar afogar na desilusão. Manter uma atitude construtiva vai permitir-lhe uma maior organização e maior sucesso na tomada de decisões”, conclui.
  4. “Quando uma porta se fecha, abre-se uma janela”: “Há que enfrentar uma situação de desemprego como uma folha em branco, aberta a uma variedade de possibilidades diferentes”, explica Laveda. Este é o melhor momento para considerar uma mudança profissional (de setor, posição, geografia, etc.) ou um novo desafio, por exemplo. Independentemente do stress que a situação de despedimento lhe possa causar, é essencial que produza mecanismos para começar a “construir um cenário positivo”.
  5. Abuse do networking: é natural que depois de deixar a empresa se isole dos ex-colegas e ignore a rede de contactos criada durante o tempo em que por lá trabalhou. Contudo, evite essa conduta: hoje em dia existem diversas ferramentas que lhe permitem manter-se em contacto, comunicar e continuar a participar em eventos com os seus ex-colegas. “Essa rede de contactos costuma ser vital quando se trata de encontrar novas oportunidades profissionais“, recomenda o managing director da Robert Walters Portugal.
  6. Mantenha o CV atualizado: o seu plano de ação após saber que vai ser demitido deve incluir a atualização do seu currículo e do perfil das redes sociais e profissionais. Invista o tempo necessário nesta atualização e “destaque as habilidades e competências mais relevantes, as funções desenvolvidas com sucesso, bem como os maiores sucessos profissionais“, aconselha Laveda. Embora este ponto pareça óbvio, nunca é demais relembrar pois, se investir neste aspeto, durante um processo de seleção, o seu CV pode ser um elemento diferenciador e de valor acrescentado face a outros candidatos com a mesma experiência e conhecimento.
  7. Fale com um consultor especializado: “Dado o desânimo causado pela súbita necessidade de ter de encontrar uma nova oportunidade de trabalho, é conveniente ser-se aconselhado por um consultor de recrutamento”, sugere Laveda. Além de o trabalhador poder ser considerado para processos de seleção, vai poder contar com a opinião e os conselhos de um especialista que, por sua vez, poderão ajudar a melhorar a sua empregabilidade e guiar a sua carreira. As consultoras de recrutamento podem oferecer uma visão objetiva do mercado em relação ao seu perfil específico (mostrando os setores com maior atividade de contratação, vagas de emprego em aberto, competências mais requisitadas para o seu perfil, áreas geográficas com maior oferta, entre outros aspetos).
  8. Mantenha a mente aberta: pode levar algum tempo até encontrar o emprego dos seus sonhos. É possível que o caminho para a posição desejada envolva o desempenho de funções não consideradas inicialmente mas que servirão para adquirir novos conhecimentos, habilidades e contactos. O essencial é que mantenha a mente aberta e avalie cuidadosamente os prós e contras das oportunidades de emprego que surgirem. “Oferecer a melhor versão de si mesmo numa entrevista de emprego parte da demonstração e reflexo de um sentimento positivo”, avança o managing director Marco Laveda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reagir depois da demissão? Veja o lado bom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião