BlockStart: Developers e startups de blockchain chamados à Europa

As candidaturas estão abertas até 10 de fevereiro e o objetivo é apoiar startups ligadas ao blockchain. Serão selecionados 20 programadores e startups que receberão até 20 mil euros em financiamento.

É oficial. Estão abertas as candidaturas para a primeira chamada do BlockStart, o consórcio europeu liderado pela portuguesa Bright Pixel que pretende impulsionar a adoção de tecnologia blockchain em pequenas e médias empresas (PMEs) ao mesmo tempo que apoia e valida no mercado projetos inovadores nesta área. Podem candidatar-se até dia 10 de fevereiro developers e startups que desenvolvam soluções baseadas nesta tecnologia aplicadas ao retalho, fintech e tecnologias de informação e comunicação.

“Este projeto europeu é bastante ambicioso, pelas várias frentes que pretende abordar. Arrancamos agora com uma call para encontrar as soluções mais inovadoras para depois começarmos à procura das PMEs que as irão implementar e validar. Acreditamos que este modelo de validação do mercado irá permitir a muitos projetos crescerem e melhorarem mais rapidamente, promovendo, por consequência, uma mais rápida adoção da tecnologia blockchain pelas empresas”, afirma Celso Martinho, cofundador e CEO da Bright Pixel, em comunicado.

Esta é a primeira de três calls que terão lugar ao longo dos próximos dois anos. O objetivo é apoiar 60 empreendedores e 60 PME, sendo que a Comissão Europeia tem cerca de 800 mil euros para o efeito.

Após o término das candidaturas desta primeira call, serão selecionados 20 programadores e startups que receberão até 20 mil euros em financiamento, equity free, mentoria e a possibilidade de fazer pilotos comerciais.

Os projetos selecionados serão apresentados durante o PixelsCamp, o maior encontro da comunidade tecnológica portuguesa, que se irá realizar de 26 a 28 de março de 2020.

O BlockStart, liderado pela Bright Pixel em parceria com a comunidade tecnológica F6S e a consultora de inovação CIVITTA, pretende dar a conhecer a pequenas e médias empresas o potencial da tecnologia de blockchain através da implementação de soluções inovadoras desenvolvidas por programadores e startups.

Este consórcio pretende ainda incentivar e apoiar os empreendedores nesta área a validarem as suas ideias no mercado, assim como potenciar boas práticas de utilização desta tecnologia, através de workshops, conferências e relatórios, junto da Comissão Europeia e demais intervenientes no ecossistema de inovação europeu, como associações, clusters, incubadoras, entre outros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BlockStart: Developers e startups de blockchain chamados à Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião