Dívida pública baixa, mas mantém-se acima dos 251 mil milhões de euros

O Banco de Portugal publicou esta quinta-feira novos dados sobre a evolução da dívida pública. Em novembro, a dívida pública encolheu pelo segundo mês depois do pico de maio.

A dívida pública recuou em novembro pelo segundo mês seguido, mas mantém-se acima da barreira dos 251 mil milhões de euros, revelam dados publicados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

Em novembro, a dívida pública ficou em 251,1 mil milhões de euros, depois de em outubro se ter situado em 251,4 mil milhões de euros, beneficiando do pagamento antecipado aos credores europeus. Assim, a redução foi de apenas 251 milhões de euros.

A instituição presidida por Carlos Costa explica que “para esta diminuição contribuiu essencialmente a redução dos títulos de dívida, a qual foi parcialmente compensada pelo aumento das responsabilidades em depósitos”.

Os ativos em depósitos das administrações públicas diminuíram 0,3 mil milhões de euros, pelo que a dívida pública líquida de depósitos não se alterou face ao mês anterior, mantendo-se em 234,3 mil milhões de euros.

Até setembro, o rácio da dívida pública em percentagem do PIB ficou em 120,5%. Este rácio foi revisto em ligeira baixa face ao valor revelado antes de 120,6% do PIB.

No Orçamento do Estado para 2020, entregue no Parlamento a 16 de dezembro, o Governo prevê que o o rácio da dívida pública tenha fechado o ano de 2019 em 118,9% do PIB, face aos 122,2% do PIB registados em 2018.

O Governo espera que a economia tenha crescido 1,9% em 2019, mas o desempenho do último trimestre ainda não é conhecido. A estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE) para o PIB vai ser divulgada a 14 de novembro. Esta informação permite calcular um rácio provisório para a dívida pública referente a 2019, já que nessa data o stock da dívida referente a dezembro já é conhecido.

Evolução da dívida pública no último ano

Fonte: Banco de Portugal; Valores em milhões de euros

(Notícia atualizada às 11h21 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública baixa, mas mantém-se acima dos 251 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião