Venda da fábrica de pás eólicas Ria Blades à Siemens Gamesa fica concluída até março

A Siemens Gamesa concluiu esta semana a aquisição por 200 milhões de euros dos ativos europeus da insolvente Senvion, que incluem a rentável unidade industrial localizada em Aveiro.

A fábrica portuguesa de pás eólicas Ria Blades, situada em Aveiro e propriedade da insolvente Senvion, vai passar em definitivo para as mãos da gigante das energias renováveis Siemens Gamesa até ao final do primeiro trimestre de 2020, garantiram as duas empresas em comunicado, na sequência da conclusão da aquisição dos ativos das áreas de Serviços Europeus e Propriedade Intelectual da Senvion pela Siemens Gamesa por 200 milhões de euros.

“Como comunicado ao mercado em outubro, a Siemens Gamesa continua a progredir no processo para adquirir todas as ações da Ria Blades S.A., entidade que detém e opera a fábrica de pás eólicas em Vagos, Portugal, bem como ativos adicionais relacionados com este negócio. O objetivo é completar a compra antes do fim de março de 2020″, assim que estejam garantidas as “condições finais exigidas”, reforçou a empresa em comunicado.

Recorde-se que em dezembro o negócio contou com a aprovação incondicional da Comissão Europeia, incluindo a compra da fábrica fundada em 2009 e localizada em território nacional.

Com a aquisição, a Siemens Gamesa compromete-se a manter pelo menos 70% dos postos de trabalho da Senvion, não sendo ainda claro se a dispensa dos restantes 30% de trabalhadores da empresa vai afetar ou não a unidade industrial localizada em Portugal. Mais novidades estão prometidas para 4 de fevereiro, quando a Siemens Gamesa apresentar os resultados relativos aos primeiros três meses do ano.

Yves Rannou, CEO da Senvion, garantiu que “foi possível assegurar que cerca de 70% dos trabalhadores da Senvion serão mantidos com esta transação. Estou convencido que a Siemens Gamesa será uma boa casa nova para todos os colaboradores transferidos”.

Negócio diversifica a carteira da Siemens Gamesa

Com a aquisição de vários ativos europeus da Senvion, a Siemens Gamesa dá um “passo importante na estratégia de crescimento da empresa e irá fortalecer a sua posição competitiva na Europa ao adicionar aproximadamente 9 GW de capacidade instalada e operações em 13 países, aumentando a frota global sob manutenção para 69 GW”, anunciou a Siemens Gamesa em comunicado. A empresa foi fundada há três anos, quando a alemã Siemens uniu esforços com a espanhola Gamesa.

Da mesma forma, refere o comunicado, a aquisição da área de Propriedade Intelectual permitirá “oferecer soluções competitivas de serviços a outros fabricantes de equipamentos eólicos e fazer crescer a sua oferta e portfólio multimarca para mais de 10GW”.

“A integração destes ativos irá ajudar a diversificar a carteira de negócios da Siemens Gamesa e aumentar a sua exposição geográfica com contratos que oferecem mais visibilidade a longo prazo e taxas de renovação historicamente altas. Esta é uma oportunidade única para a consolidação do negócio, com vantagens para as duas partes e um ‘casamento perfeito’ para a Siemens Gamesa.

Ao integrar estes ativos e profissionais altamente qualificados vamos melhorar a nossa posição de liderança global num momento crucial de crescimento para a indústria eólica“, disse Markus Tacke, CEO da Siemens Gamesa. A transação irá também garantir aos clientes da Senvion uma solução de futuro, na sequência da insolvência da empresa, acrescentou ainda o CEO.

A Siemens Gamesa tem um um longo currículo de aquisição de empresas, apresentando agora um “plano robusto de integração” da Senvion na sua unidade de Serviços. “Este negócio é uma parte importante da estratégia para fazer crescer a oferta de serviços multimarca. Agora que concluímos com sucesso a operação vamos focar-nos em garantir que a integração corre bem e que as operações continuam a decorrer normalmente”, acrescentou também Mark Albenze, CEO da Siemens Gamesa Service.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda da fábrica de pás eólicas Ria Blades à Siemens Gamesa fica concluída até março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião