Governo quer definir referencial para subir salários por setor

Ana Mendes Godinho e Pedro Siza Vieira estão reunidos, esta terça-feira, com os parceiros sociais para discutir o acordo sobre rendimentos. É o terceiro encontro sobre esta matéria.

O Governo quer negociar com os parceiros sociais uma metodologia para a fixação anual de um referencial para a atualização dos salários, por setor, “tendo em conta a evolução esperada e os ganhos de produtividade e inflação”. Esta proposta repete o “critério” que já tinha sido defendido pelo ministro da Economia em novembro, ainda que não se volte a referir a “fasquia mínima” salarial de 2,7%, mencionada em novembro.

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, e o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, estão, esta terça-feira, reunidos com os parceiros sociais para discutir o acordo sobre competitividade e rendimentos. Este é o terceiro encontro sobre esta matéria, tendo sindicatos e patrões chegado com a expectativa de que o Governo desse agora um passo em frente e pusesse em cima da mesa propostas mais concretas.

O documento distribuído pelo Executivo não regista, contudo, esse “avanço”, referindo apenas as áreas temáticas que devem ser trabalhadas neste âmbito. Entre elas está a coesão territorial, os fluxos migratórios, a formação profissional, a inovação, a fiscalidade, a valorização dos jovens e dos salários. E é nesse último quadro que o Governo propõe trabalhar a “metodologia de fixação anual de referencial para atualização dos salários, por setor, tendo em conta a evolução esperada e os ganhos de produtividade e inflação”.

O Executivo repete, assim, o “critério” — os ganhos de produtividade e a inflação” — que já tinha defendido para a valorização dos salários, mas não volta a trazer para a ribalta a estimativa de crescimento salarial (2,7%) que tinha adiantado na primeira reunião.

Antes, o Governo salienta que, mesmo que se mantenha a tendência de crescimento dos salários acima da produtividade e inflação, “a recuperação do peso dos salários no PIB será residual e, portanto, insuficiente” para melhorar a distribuição de riqueza produzida e para aproximar os dados portugueses da média europeia.

A propósito, o documento conhecido esta terça-feira salienta que o peso dos salários no PIB cresceu “apenas 1,2 pontos percentuais” desde 2009, mesmo face à “significativa recuperação do emprego nos últimos anos”. Tudo somado, Portugal ocupa o 17.º lugar da tabela europeia, ficando três pontos percentuais abaixo da média da UE.

No que diz respeito ao referencial para a atualização dos salários, note-se ainda que o Governo deixa claro que o referencial deve ser negociado por setor. Tal já tinha sido defendido, por exemplo, pelo presidente do Conselho Económico e Social, referindo que definir uma meta para a generalidade do mercado de trabalho seria “um pouco ficcional”. Entre os parceiros sociais, as opiniões não são consensuais. António Saraiva, considerado o patrão dos patrões, disse ao ECO: “O que digo é que cada setor deve ter a liberdade ele próprio de encontrar a progressão e o valor, não com um referencial encontrado de forma abstrata e, eventualmente, sem racionalidade económica“.

Esta terça-feira, o Governo salienta, por outro lado, que de acordo com as previsões disponíveis, até 2023, espera-se que o emprego cresça 0,6% ao ano, verificando-se um aumento nominal da remuneração por trabalhador na ordem dos 3,1% ao ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer definir referencial para subir salários por setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião