Huawei com “luz verde” para desenvolver 5G do Reino Unido. Empresa “tranquilizada” com decisão

  • Lusa
  • 28 Janeiro 2020

O Governo britânico deu "OK" à Huawei para participar na construção da rede de 5G no país, ainda que com algumas limitações.

A Huawei vai poder fornecer equipamento para a infraestrutura de telecomunicações 5G no Reino Unido, mas será excluída do envolvimento em partes cruciais da rede, anunciou o governo britânico.

Sem nomear a empresa, mas referindo-se a “fornecedores de alto risco“, um comunicado do ministério da Cultura, Digital, Comunicação Social e Desporto confirmou que vão ser impostas “novas restrições”.

“Os ministros determinaram hoje [terça-feira] que as operadoras do Reino Unido devem estabelecer salvaguardas adicionais e excluir fornecedores de alto risco de partes da rede de telecomunicações essenciais para a segurança”, refere o comunicado.

A decisão foi anunciada após uma reunião do Conselho de Segurança Nacional (NSC) presidida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, onde foi decidido que cabe ao Centro Nacional de Cibersegurança dar orientações aos operadores de telecomunicações do Reino Unido sobre quais são os fornecedores de alto risco.

O governo está confiante de que “estas medidas, tomadas em conjunto, vão permitir mitigar o risco potencial representado pela cadeia de fornecimento e combater o leque de ameaças, sejam criminosos cibernéticos ou ataques patrocinados por países”.

EUA pressionaram Governo britânico para banir 5G da Huawei

O governo britânico tem estado sob intensa pressão dos EUA, para proibir o envolvimento da Huawei em toda a rede 5G, tendo o presidente Donald Trump falado no assunto durante um telefonema com Boris Johnson na sexta-feira.

Os EUA afirmam que a empresa chinesa, que é privada e que rejeita as acusações de interferência do Estado chinês, representa um risco para a segurança e chegaram a ameaçar com a redução na partilha de informações com o Reino Unido.

Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, escreveu na rede social Twitter no domingo à noite que o Reino Unido tinha uma “decisão importante pela frente no 5G”:

Responsáveis por agências de segurança britânicas garantiram no passado que será possível gerir os riscos de segurança para a rede 5G, considerada uma infraestrutura importante em termos de desenvolvimento económico, desde que a Huawei fosse excluída de elementos cruciais.

A decisão sobre o envolvimento da empresa chinesa nos concursos de fornecimento de equipamento é considerada importante devido aos baixos preços praticados e diversidade de produtos relativamente à concorrência.

Huawei “tranquilizada” com decisão britânica. Apela à “concorrência justa”

A Huawei mostrou-se “tranquilizada” com a permissão do Governo britânico para fornecer, ainda que de forma limitada, equipamento para a infraestrutura 5G no Reino Unido, apelando a uma “concorrência justa”.

“A Huawei ficou tranquilizada com a confirmação do governo do Reino Unido de que podemos continuar a trabalhar com os nossos clientes para manter o ritmo de desenvolvimento no 5G”, indica fonte oficial da empresa numa resposta escrita enviada à Lusa.

Numa alusão às suspeitas de que a companhia tem sido alvo — nomeadamente pelos Estados Unidos, que a acusam de espiar para o Estado chinês –, a Huawei fala numa decisão britânica “baseada em evidências”, que resultará “numa infraestrutura de telecomunicações mais avançada, mais segura e com melhor relação custo-benefício”.

A Huawei opera no Reino Unido há 15 anos. Os Estados Unidos têm, ainda, tentado pressionar outros países da União Europeia (UE) para banir a Huawei das suas redes 5G.

Sem nunca se referir à Huawei, a Comissão Europeia tem vindo a manifestar preocupação sobre possíveis riscos de ciberseguranças nestas novas redes móveis, mais potentes e rápidas do que nunca, razão pela qual apresentará quarta-feira uma caixa de ferramentas com medidas de mitigação a serem adotadas pelos Estados-membros da UE.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Huawei com “luz verde” para desenvolver 5G do Reino Unido. Empresa “tranquilizada” com decisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião