Seis bancos da Zona Euro falham requisitos do BCE

  • ECO
  • 28 Janeiro 2020

Num total de 109 bancos que participaram na avaliação aos rácios de capital, seis instituições falharam o teste do supervisor. Quatro já tinham corrigido a insuficiência de capital no final de 2019.

Seis bancos da Zona Euro não passaram no teste de exigência de capital pelo Banco Central Europeu (BCE). Num total de 109 bancos que participaram na avaliação dos níveis dos Core Equity Tier 1 (CET1), seis falharam os requisitos de Pilar 2 para este ano. “Para esses bancos, que não apresentaram níveis satisfatórios no último trimestre de 2019, foram pedidas medidas corretivas dentro de um calendário preciso”, explicou o supervisor bancário europeu.

Em conferência de imprensa, Andrea Enria, presidente do conselho de supervisão do BCE, adiantou que quatro dos bancos já corrigiram as insuficiências até ao final do ano passado.

“Aos dois bancos que restam foram pedidas ações de correção dentro de um calendário bem definido”, acrescentou o italiano aos jornalistas, sem mencionar o nome das duas instituições em causa.

A avaliação anual do BCE surge numa altura em que muitos bancos defrontam desafios no seu negócio por causa do ambiente de juros baixos, custos de legados e escândalos relacionados com lavagem de dinheiro. O BCE decidiu manter os requisitos de capital: uma média de 2,1% (obrigatório) e 1,5% (guidance), respetivamente.

Enria adiantou estava “amplamente satisfeito” com os resultados, embora tivesse salientado alguns receios com o modelo de negócio dos bancos, a governance e os riscos operacionais — sem aludir, de forma direta, a casos relacionados com branqueamento de capitais na Letónia, Malta e até Portugal.

Sobre Isabel dos Santos, suspeita de usar o EuroBic para transferir dinheiro para uma offshore no Dubai, Andrea Enria admitiu “não estar contente” com a “confusão” legislativa que dificultou uma intervenção apropriada do BCE em relação ao processo de fit & proper da empresária angolana.

(Notícia atualizada às 13h58)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis bancos da Zona Euro falham requisitos do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião