Futurália. As cinco coisas que não pode perder nesta edição

A maior feira de emprego e formação do país regressa à FIL, em Lisboa, entre 25 e 28 de março, e este ano traz novidades a pensar nos mais novos. Saiba o que não deve perder na edição deste ano.

“Não há dois futuros iguais. Escolhe o teu!”, é o mote da 13.ª edição da Futurália, a maior feira de educação, formação e empregabilidade do país. O evento decorre na Feira Internacional de Lisboa, de 25 a 28 de março. A grande novidade deste ano é o espaço Futurália Júnior, dedicado às famílias, onde as escolas do 1º e 2º ciclos poderão expor as suas ofertas formativas e as crianças experimentar várias profissões.

Além dos habituais stands de apresentação de potenciais empregadores, a Futurália vai acolher debates, conferências, um fórum sobre sustentabilidade, concertos, uma peça de teatro e ainda uma versão para os mais novos com a Futurália Júnior. Num espaço de mais 20 mil metros quadrados e mais de 500 entidades presentes, selecionámos as cinco coisas a não pode perder na Futurália 2020.

1. Futurália Júnior: uma visão do futuro

Este espaço é a novidade da 13.ª edição da maior feira de emprego nacional, criado a pensar nas crianças entre os 6 e os 12 anos. Neste espaço dedicado também aos encarregados de educação, “escolas e colégios do 1.º e 2.º ciclo para que pudessem expor os seus projetos e dar mais informação aos pais sobre a sua oferta formativa”, explica Alzira Ferreira, diretora da Futurália.

A “Futurália dos mais novos” vai centralizar num mesmo espaço informação sobre várias escolas e modelos pedagógicos, e dar a oportunidade aos jovens de experimentar várias profissões, para estimular os seus interesses e curiosidades em relação ao futuro.

Para Alzira Ferreira, este espaço é uma “evolução natural” e um complemento à feira de emprego. “Neste contexto, a Futurália Júnior visa responder às necessidades dos pais em escolher a entidade de ensino e o respetivo projeto pedagógico a definir para o processo de aprendizagem dos seus educandos. Paralelamente, as entidades de ensino privado e os ATL têm uma oportunidade para divulgarem os seus serviços”, e ainda “permitindo uma primeira abordagem ao que serão as escolhas do futuro”, esclarece Alzira Ferreira.

Este espaço “é a prova de que a Futurália não é apenas paragem obrigatória até à escolha da licenciatura, mas sim um evento que promove a formação ao longo de toda a vida”, reforça a diretora.

2. Espaço Emprego e Empregabilidade

Se está à procura de emprego, este é o espaço a procurar na Futurália, onde se espera a presença de mais de 500 entidades, distribuídas pelos dois pavilhões da FIL, prontas para estabelecer contacto com os alunos à procura do próximo desafio profissional.

O objetivo dos espaços Emprego e Empregabilidade e o Espaço Juventude, é promover o contacto entre os potenciais candidatos, empresas, candidatos, instituições de formação e alunos, através de ações de recrutamento e networking. Estarão representadas entidades do ensino secundário, superior, profissional, educação e formação de adultos, escolas tecnológicas, centros e empresas de formação e, ainda, universidades estrangeiras e internacionais.

“Renovamos o espaço Emprego e Empregabilidade que este ano vai fazer o match entre as ofertas de emprego e as instituições de formação e respetivos alunos, visando a oferta de um conjunto alargado de oportunidades de emprego”, frisa Alzira Ferreira.

3. Dream Conf: inspirar gerações com casos reais

No espaço Dream Conf, a Futurália convida personalidades que se destacam nas suas áreas para apresentarem o seu testemunho e inspirarem as próximas gerações a sonhar. Este ano, a Futurália quer ajudar os participantes a imaginar um futuro mais sustentável, com o tema “Como (posso) construir um futuro mais sustentável?”.

A Dream Conf promove “a partilha de experiências pessoais, a busca pelo talento, o modo de gerir os desalentos e ultrapassar os fracassos e, continuar com empenho a lutar pelo sonho”, explica a diretora.

4. Quem matou Shakespeare? Um teatro interativo

Para promover a cultura e as artes e estimular os participantes a quebrar barreiras e desenvolverem a comunicação, a Futurália convida a companhia de teatro espanhola Interacting Theatre Company, para apresentar a peça de teatro interativa, e em inglês,Who shot Shakespeare?“.

“Este espetáculo tem como principal objetivo derrubar as barreiras que dificultam a comunicação, utilizando como veículos a motivação e o entretenimento. A peça pretende motivar e incentivar os alunos, estimulando-os a pôr em prática os seus conhecimentos linguísticos através da participação ativa no espetáculo“, explica a diretora da Futurália.

Os bilhetes da entrada com acesso ao teatro custam 9 euros e devem ser requisitados através do e-mail info@expolingua.pt.

5. Fórum Sustentabilidade: incitar os jovens a pensar um futuro mais sustentável

No Fórum Futurália lança o desafio aos alunos para interpelar especialistas e agentes económicos e sociais sobre o tema da sustentabilidade. Ainda sem nomes confirmados, o painel responderá às questões suscitadas por jovens e que serão mobilizados pelas escolas, universidades ou por municípios.

Nesta edição a Futurália mostra que está viva, dinâmica e que está em constante mutação, mutação esta que vai de encontro às necessidades atuais dos visitantes e na procura de novos públicos.

Alzira Ferreira

Diretora da Futurália

“É imperioso agir envolvendo todas as partes interessadas: empresas, educação, ciência e tecnologia, Governo e a comunidade. As soluções e respostas inteligentes a este problema passam, e boa parte, pelas políticas de mitigação, consubstanciadas na transição energética. E, não menos verdade, são também os nossos sistemas de valores e a nossa relação com os recursos naturais e os ecossistemas que tem que mudar. Nos dois painéis deste fórum procura-se dar um contributo para esta reflexão que se impõe em torno de dois eixos-chave do desenvolvimento sustentável: as alterações climáticas e os oceanos, a transição energética e o ambiente”, sublinha Alzira Ferreira, diretora da Futurália.

Além destas cinco sugestões, a Futurália promove a Inside & Out, a possibilidade de visitar museus a um custo reduzido, um concurso de bandas e djs no palco Futurália LG, e outras atividades e workshops que promovem a interação entre os participantes. “Nesta edição a Futurália mostra que está viva, dinâmica e que está em constante mutação, mutação esta que vai de encontro às necessidades atuais dos visitantes e na procura de novos públicos”, remata Alzira Ferreira.

Os bilhetes estão à venda no site oficial e custam 6 euros e 7 euros à entrada do evento. No caso de visitas de estudo, os bilhetes custam 5 euros por aluno. Os profissionais que quiserem participar nas formações deverão inscrever-se aqui.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Futurália. As cinco coisas que não pode perder nesta edição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião