Brexit obriga Banco de Portugal a dar 28,6 milhões ao BCE

  • ECO
  • 7 Fevereiro 2020

Reforço será necessário para compensar a saída do Banco de Inglaterra, que era um dos maiores "acionistas" do BCE.

A saída do Reino Unido da União Europeia vai obrigar ao reforço da contribuição do Banco de Portugal (BdP) para o Banco Central Europeu (BCE). Reforço será necessário para compensar a saída do Banco de Inglaterra, que era um dos maiores “acionistas” do BCE, avança o Jornal de Negócios (acesso pago), nesta sexta-feira.

A entidade liderada por Carlos Costa terá assim de pagar 28,6 milhões de euros em duas tranches iguais no final de 2021 e 2022, aumentando o capital realizado de 177,5 milhões de euros para 206,1 milhões de euros.

Esse acréscimo resulta da redistribuição da participação do Banco de Inglaterra — 14,3% — pelos bancos centrais nacionais da Zona Euro e da União Europeia que irá permitir que o capital total do BCE se mantenha estável nos 10,8 mil milhões de euros.

O BdP, a par dos restantes bancos centrais nacionais, terá assim de compensar a totalidade da quota-parte dos 14,3% que lhe cabe, com a contribuição acrescida desses cerca de 28 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Brexit obriga Banco de Portugal a dar 28,6 milhões ao BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião