Governo aceita discutir férias, aumentos extra e subsídio de refeição para a Função Pública

Os sindicatos rumaram, esta segunda-feira, ao Ministério de Alexandra Leitão para apresentar as contrapropostas para os aumentos salariais. Fesap diz que "dificilmente" haverá acordo.

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) apresentou, esta segunda-feira, ao Governo uma contraproposta na qual reivindica a devolução dos pontos “apagados” em 2019, a contagem de todo o tempo de serviço “perdido” pelas carreiras especiais, a reposição dos 25 dias de férias, a atualização do subsídio de alimentação e aumentos salariais acima dos já anunciados. O Ministério de Alexandra Leitão mostrou, contudo, disponibilidade para avaliar apenas essas três últimas matérias, o que levou o sindicato de José Abraão a salientar que “dificilmente” haverá acordo.

Nesta reunião, “houve uma proposta apresentada pela FESAP com um conjunto de cinco questões muito importantes, que é a contagem do tempo de serviço para todos os trabalhadores, a contagem dos pontos que foram retirados, as férias que foram retiradas durante a troika, o aumento do subsídio de refeição e a abertura para a negociação plurianual dos salários”, afirmou o sindicalista.

Em declarações aos jornalistas, José Abraão indicou, no entanto, que da parte do Governo foi mostrada disponibilidade para discutir as férias (o sindicato defende a reposição dos três dias retirados durante a troika, totalizando 25 dias de férias), o subsídio de refeição (o sindicato quer que este subsídio seja atualizado de 4,77 euros para seis euros) e os salários. “Foi-nos dito com clareza que estariam disponíveis para equacionar a questão das férias”, enfatizou.

Tal fica em linha com aquilo que a ministra da Administração Pública, Alexandra Leitão, já tinha adiantado, na quinta-feira. Em entrevista à RTP, a responsável admitiu ir mais longe nas remunerações mais baixas e noutras matérias, como as férias.

“Pelas exclusões que efetivamente foram feitas, dificilmente podemos falar de um acordo”, atirou o dirigente da FESAP, referindo que “nunca irá desistir” das duas outras questões incluídas na sua contraproposta: os pontos “apagados” aquando do aumento da base remuneratória do Estado e o tempo “perdido” durante o tempo de congelamento por 17 carreiras da Administração Pública.

Sobre os salários, José Abraão explicou aos jornalistas que o secretário de Estado da Administração Pública ainda não indicou que margem haverá atualizações acima das já anunciadas, tendo este assunto sido remetido para a reunião marcada para a próxima quarta-feira, dia 19 de janeiro.

No final do último ano, o Executivo de António Costa anunciou que todos os trabalhadores da Função Pública irão beneficiar de um aumento de 0,3%, em linha com a inflação registada até novembro de 2019. Para as duas posições remuneratórias mais baixas, o Governo propôs, por outro lado, um aumento de sete euros (cerca de 1%), fazendo esses salários subirem de 635,07 euros para 642 euros e de 683,13 euros para 690,13 euros.

O secretário de Estado da Administração Pública frisou, contudo, a 10 de fevereiro, que estaria aberto a analisar contrapropostas, tendo sido marcada para esse fim a reunião desta segunda-feira. As respostas do Governo a essas propostas deverão, no entanto, chegar só na próxima quarta-feira.

Além da FESAP, também a Frente Comum já esteve reunida com o Executivo, esta manhã. Num encontro que durou cerca de 20 minutos, o sindicato de Ana Avoila defendeu a correção da Tabela Remuneratória Única, a subida do subsídio de refeição para 6,5 euros, a reposição dos dias de férias e o descongelamento de alguns suplementos. “A reação do Governo foi apenas uma: vamos analisar”, garantiu a sindicalista, referindo que quarta-feira poderá ser um dia “decisivo”, nestas negociações. “A bola está do lado do Governo”, acrescentou, sublinhando que o Executivo tem verbas no Orçamento do Estado para “aumentos dignos”.

Também o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) esteve reunido com o secretário de Estado da Administração Pública, esta segunda-feira. Na proposta distribuída pelos jornalistas e apresentada ao Executivo, o STE defende atualizações remuneratórias de 2% (valor mais baixo que a reivindicação original de aumentos de 3%), a subida do subsídio de refeição para 10 euros, a eliminação das quotas no sistema de avaliação, a fixação do valor de desconto para ADSE em 2,5% e a reposição dos tais três dias de férias retirados pela Troika.

À saída do encontro, a dirigente do sindicato, Maria Helena Rodrigues, frisou que não troca “remuneração por dias dias de férias” e lembrou que, à boleia do IRS e dos descontos para a Segurança Social, a “maioria dos trabalhadores” com aumentos irá receber menos do que ganhava em 2019, em termos líquidos.

(Notícia atualizada às 15h04)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Governo aceita discutir férias, aumentos extra e subsídio de refeição para a Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião