Ana Gomes diz que escritórios de advogados são “verdadeiras associações criminosas”. Proença de Carvalho responde

Para a antiga eurodeputada, as sociedades de advogados portuguesas são "verdadeiras associações criminosas". Daniel Proença de Carvalho diz que a afirmação "não corresponde à mínima realidade".

E ex-eurodeputada socialista Ana Gomes veio afirmar publicamente que algumas sociedades de advogados são “verdadeiras associações criminosas” por participarem em esquemas de transferências de capital para contas offshores. Esta declaração foi dada no comentário na SIC Notícias, no domingo passado.

“Alguns escritórios de advogados portugueses – e mais uma vez, eu faço a ressalva, não são todos os advogados (…) -, que são verdadeiras, eu diria, quase associações criminosas”, referiu a antiga eurodeputada. Esta afirmação veio no seguimento das revelações feitas pelo consórcio internacional que expôs o ‘Luanda Leaks’.

O Luanda Leaks é uma investigação do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) que revelou mais de 715.000 ficheiros secretos, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais. O esquema revelado pela investigação está a ser analisado pelo Ministério Público.

Face a esta declaração, Daniel Proença de Carvalho já se pronunciou publicamente. Para o advogado, Ana Gomes tem “muitas” dificuldades com a “verdade”, “rigor” e “isenção”. Daniel Proença de Carvalho, foi o orador convidado do debate inserido no âmbito do ciclo de conferências “Fim de Tarde na Sedes”, promovido pela SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social.

“Essa afirmação feita dessa forma genérica, que é evidente que não corresponde à mínima realidade, e é feita de uma forma muito ligeira, para não dizer leviana, como em muitos casos”, referiu Daniel Proença de Carvalho.

Para o antigo presidente da Uría Menéndez-Proença de Carvalho “sempre que se opina e se comenta, com falta de rigor, com pouco respeito pela verdade, procurando generalizações e procurando fazer acusações infundadas ou apenas com base em perceções muito subjetivas, corre-se o risco de contribuir para o populismo”.

Proença de Carvalho referiu ainda, em contexto ‘Luanda Leaks’, que os advogados e sociedades portuguesas têm nos dias de hoje critérios de “rigor” e de “cumprimento” das normas. “O escritório onde eu trabalhei tem padrões da maior exigência e do maior respeito por regras deontológicas e éticas”, concluiu.

Em janeiro, depois de conhecido o Luanda Leaks, Jorge Brito Pereira, advogado de anos de Isabel dos Santos, renunciou ao cargo de chairman na Nos, e saiu do escritório de advogados Uría Menendéz – Proença de Carvalho, onde era sócio. Atualmente, tem atividade suspensa.

Durante o debate, Proença de Carvalho falou ainda de Rui Pinto, o denunciante do Football Leaks, Luanda Leaks. “Sou absolutamente contra a utilização de provas obtidas de forma criminosa. No dia em que isso fosse possível, as polícias podiam perfeitamente utilizar um bandido qualquer para entrar em minha casa, arrombar o cofre e tirar os documentos dos meus clientes”, disse.

“Qual é a diferença entre arrombar uma casa e roubar os documentos e entrar no correio eletrónico e fazer a mesma coisa? É exatamente igual”, vincou o ex-jurista. “Isso é uma coisa, outra é os polícias investigarem de acordo com os meios que a lei lhes proporciona. Porque se abrirmos a porta a soluções deste tipo, acabou o Estado de Direito, é o caos e é a inexistência dos direitos fundamentais das pessoas”.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ana Gomes diz que escritórios de advogados são “verdadeiras associações criminosas”. Proença de Carvalho responde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião