Empresas prometem gastos mais “verdes”. Aviação pode pagar fatura

Consciencialização da pegada carbónica está a pesar nas decisões de despesa. Maioria dos gestores antecipa uma redução dos gastos, sendo que aqueles que fizerem tenderão a ser mais "verdes".

As empresas querem gastar menos… e de forma cada vez mais verde. É esta a conclusão do inquérito realizado pelo Credit Suisse junto de 90 gestores, no qual metade apontaram para a pegada de carbono como uma dos principais preocupações que irão influenciar as despesas das suas empresas. Companhias aéreas podem sofrer.

“As preocupações ambientais estão a tomar um papel central com mais de 50% dos inquiridos a sugerirem que a consciencialização da pegada carbónica está a influenciar as decisões de despesa enquanto a proporção que está a planear alterar no mix energético para renováveis subiu para 74% (contra 53% há nove meses)”, refere o relatório do Credit Suisse.

Os setores na linha da frente do risco associado a estas preocupações dos gestores estão as companhias aéreas, com 63% dos empresários inquiridos a afirmarem que tencionam mudar o montante gasto e a forma como viajam.

Os gastos planeados pelas empresas deverão encolher — apenas cerca de 26% dos gestores planeia aumentar despesas. EUA e Alemanha, duas das maiores economias do mundo, destacam-se na previsão de crescimento dos gastos. “Isto é consistente com o recente impulso ascendente que está a sustentar os indicadores no primeiro trimestre”, diz o Credit Suisse.

Enquanto o coronavírus poderá, em última análise, provar ser um risco material para a economia global, afetando as empresas, o “Brexit ainda se mantém como a primeira preocupação de 40%”, revela o relatório do banco suíço.

Banca financia, mas bolsa já não assusta

Além das mudanças nos hábitos de consumo das empresas, que deixam antever despesas cada vez mais “verdes”, há também uma alteração na forma como os empresários olham para as fontes de financiamento na expansão dos seus negócios.

"Com o BCE como feliz comprador de crédito, a quantidade de empresas que dizem que o acesso aos mercados de capitais é desafiante caiu (16% contra 24%). No entanto, para aqueles que usam financiamento bancário, o dobro reporta condições mais restritivas.”

Credit Suisse

Apesar de a banca se manter como o player com maior peso, os gestores apontam para maiores condicionantes no financiamento bancário e mais facilidades no financiamento em mercado devido às políticas expansionistas do Banco Central Europeu (BCE) como os programas de compra de ativos.

“Com o BCE como feliz comprador de crédito, a quantidade de empresas que dizem que o acesso aos mercados de capitais é desafiante caiu (16% contra 24%). No entanto, para aqueles que usam financiamento bancário, o dobro reporta condições mais restritivas”, aponta o relatório do Credit Suisse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas prometem gastos mais “verdes”. Aviação pode pagar fatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião