Mais de 30% de passageiros cancelam voos para Milão

  • Lusa
  • 28 Fevereiro 2020

O surto de coronavírus levou mais de 30% dos passageiros a cancelar os voos marcados para Milão, na Lombardia, região mais afetada por esta epidemia.

Mais de 30% de passageiros cancelaram, nos últimos três dias, os seus bilhetes de avião para viajar para a cidade italiana de Milão, na região da Lombardia, a mais afetada pelo coronavírus.

“Tivemos 32,5% de cancelamentos nos últimos três dias“, disseram à EFE fontes da empresa que administra os aeroportos de Milão-Linate e Milão Malpensa.

Milão, considerada a capital financeira de Itália, está a sofrer as consequências do medo da disseminação do coronavírus, que teve origem na China e causou 21 mortes na Itália, segundo os últimos dados oficiais da Proteção Civil.

O Aeroporto Internacional Orio al Serio, em Bérgamo (Lombardia), também declarou que sofreu 30% de cancelamentos na última semana.

A Aeroporti di Roma SpA (ADR), controlada pela concessionária Atlantia e responsável pela administração dos aeroportos da capital italiana, explicou à EFE, apesar de estar ainda a recolher dados, que até ao momento conta já com menos 50.000 passageiros na região no último mês.

Itália é o país europeu mais afetado pelo coronavírus, especialmente as regiões do norte, e os aviões voam cada vez mais vazios, pelo que as empresas estão a reduzir os voos ou até cancelar certas rotas.

A associação italiana que representa os aeroportos do país (Assaeroporti) pediu calma e, em comunicado, afirmou que os responsáveis pelos aeroportos estão a gerir a situação atual com a máxima atenção.

A companhia aérea italiana Alitalia, em processo de falência desde maio de 2017, anunciou esta sexta-feira que cancelou 38 ligações nacionais e internacionais devido à menor procura.

Também a britânica easyJet informou que irá suspender voos para Itália devido à baixa procura e o International Airlines Group (IAG) avançou que não descarta fechar rotas para Itália se a crise se complicar.

Por sua vez, a Brussels Airlines reduziu os voos em 30% para destinos como Milão, Roma e Veneza até 14 de março, enquanto a Bulgaria Air suspendeu voos de e para Milão até 27 de março.

A companhia aérea húngara de baixo custo Wizz Air anunciou na quinta-feira que irá reduzir o número de voos da Bulgária para Itália até 11 de março e a Lufthansa e a Air France-Klm já estão também a sofrer o impacto de cancelamentos no mercado italiano.

Nos Estados Unidos, a Delta Air Lines explica no site oficial que os passageiros que compraram voos para Itália até 15 de março e desejem mudar o seu destino podem fazê-lo gratuitamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 30% de passageiros cancelam voos para Milão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião