Advocacia no feminino, dizem elas. Advocatus já nas bancas

Seis advogadas estiveram à conversa com a Advocatus e colocaram em cima da mesa o que pensam sobre o papel da mulher na advocacia e como analisam a progressão de carreira nas sociedades.

capa Advocatus 114

A advocacia esteve durante vários anos restrita às mulheres. Só em 1918 viram assegurado o seu direito de acesso à advocacia através da publicação de um diploma. 102 anos depois no setor ainda existem muitas mudanças a fazer de forma a garantir a paridade de géneros nos vários aspetos inerentes ao funcionamento das sociedades. A meritocracia por vezes é colocada para segundo plano na hora de decisão de cargos de topo.

Seis advogadas estiveram à conversa com a Advocatus e colocaram em cima da mesa o que pensam sobre o papel da mulher na advocacia e como analisam a progressão de carreira nas sociedades. Apesar de não se sentirem discriminadas, asseguram que a igualdade de oportunidades no acesso a cargos de topo ainda é um problema. As profissionais garantiram ainda ser necessário mudar mentalidades, desde o topo da pirâmide até à base, pois só assim o setor conseguirá evoluir.

Paulo Valério, sócio da Valério, Figueiredo & Associados (VFA), não é o típico advogado que “dorme com o Código Civil”, segundo o próprio. Com uma vasta experiência na área de reestruturações e insolvência, acredita que esta última é uma espécie de “patinho feio” da advocacia, mas que quando a “economia se está afundar, é ao patinho que se agarra”. À Advocatus afirma não acreditar em “super juízes, nem em super advogados” e que um “advogado que só sabe direito é uma espécie de técnico de leis”.

Irritabilidade, fadiga, isolamento social e tristeza. Sabe o que têm em comum? São alguns dos sintomas da síndrome de exaustão profissional, ou burnout, que em maio de 2019 passou a integrar a lista de doenças aprovadas pela Organização Mundial Saúde. Todos os setores possuem trabalhadores suscetíveis de contrair esta perturbação psicológica, incluindo a advocacia. A Advocatus tentou perceber junto das sociedades e de profissionais de saúde tudo sobre esta doença.

Ilustração: Louise Farias

O negócio do mês da 114.ª edição é sobre a entrada dos espanhóis da Merlin Properties, em janeiro, na bolsa de Lisboa com o objetivo de reforçar o posicionamento em Portugal. Os advogados da Garrigues assessoraram a sociedade de investimento e gestão imobiliária espanhola na realização de um dual listing no início do ano.

Mafalda Alves é a advogada do mês e, em conversa com a Advocatus, comparou as funções de um sócio às de um maestro. Para a nova sócia da SRS Advogados, a arbitragem tributária colmatou um dos principais problemas do sistema judicial tributário, a “morosidade”. Sobre o Orçamento do Estado, a advogada mostra-se preocupada com o “aumento da despesa pública” e a “falta de medidas de promoção do investimento e da produtividade”.

Em 2018, a Broseta faturou 21,5 milhões de euros, mais cerca de 5 milhões face a 2017. À Advocatus, a firma ibérica anunciou a contratação de mais cinco advogados. Descubra todos os pormenores na rubrica “sociedade do mês”

A revista Advocatus de março já está à venda nos locais habituais. Pode também assinar a revista aqui.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advocacia no feminino, dizem elas. Advocatus já nas bancas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião