Após trambolhão de 9% na segunda-feira negra, Bolsa de Lisboa volta a ceder 0,7%

PSI-20 encerrou no vermelho, esta terça-feira, em linha com os pares europeus. Em Lisboa, Energia foi o setor que ditou a queda.

Apesar de ter negociado no verde quase toda a sessão, a bolsa de Lisboa acabou por ceder. O PSI-20 encerrou com perdas de 0,7%, nesta terça-feira, que vêm somar-se ao trambolhão de quase 9% que na segunda-feira “roubou” cinco mil milhões de euros ao valor do PSI-20. O índice português acompanhou os pares europeus, com o setor da energia a pressionar.

O PSI-20 desvalorizou 0,7%, para os 4.237,23 pontos, com sete títulos em terreno negativo e os restantes 11 em alta. Já o Stoxx 600 — índice que agrega as principais capitalizações bolsistas do Velho Continente – perdeu 0,9%. Mas o principal destaque negativo vai para o recuo de 3% da bolsa de Milão, naquele que é o primeiro dia de quarentena nacional naquele país como forma de tentar conter a propagação da infeção pelo coronavírus.

A queda do índice lisboeta acabou por ser formada já perto do fecho da sessão, num dia em que os ganhos chegaram a rondar os 5%.

“Após as expressivas desvalorizações das últimas sessões, a subida durante a manhã de hoje assumiu os moldes de uma reação técnica ao forte movimento descendente testemunhado desde o final da semana passada”, explica o BPI no seu comentário de fecho desta terça-feira”, dizendo ainda que o fecho no vermelho testemunha “o nervosismo que ainda paira nos mercados bolsistas”.

Por Lisboa, os títulos do setor da energia ditaram o rumo negativo do PSI-20 nesta sessão.

As ações da EDP Renováveis desvalorizaram 2,71%, para os 11,48 euros, enquanto a casa-mãe EDP viu os seus títulos perderem 1,97%, para os 3,976 euros. Já a Galp Energia recuou 0,77%, para os 9,51 euros por ação, não conseguindo espelhar os ganhos do petróleo e não obstante a queda de 16,52% na sessão anterior.

Pela positiva, destaque para o BCP, com as ações do banco liderado por Miguel Maya a avançarem 4,08%, para os 12,5 cêntimos.

(Notícia atualizada às 17h03)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após trambolhão de 9% na segunda-feira negra, Bolsa de Lisboa volta a ceder 0,7%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião