Universidade Lusófona encerra quase todas as instituições

As instituições da Universidade Lusófona, incluindo politécnicos, de Lisboa, Porto, Gaia e Portimão estarão encerradas até 24 de março, anunciou o Grupo Lusófona.

O surto do coronavírus também está a afetar as atividades das instituições de ensino do país. Depois de as Universidades do Minho, Coimbra e Lisboa terem decretado o encerramento das atividades letivas, agora foi a vez da Universidade Lusófona ter decidido ir pelo mesmo caminho.

“O Grupo Lusófona, atento à evolução do coronavírus em território nacional, decidiu, de forma preventiva, suspender a atividade na maioria das suas instituições de ensino superior“, refere a instituições, em comunicado, justificando esta decisão como uma forma de “garantir a segurança de toda a comunidade académica”.

Estas medidas inserem-se no plano de contingência do Grupo Lusófona e “serão reavaliadas conforme a necessidade e a evolução da situação”. A suspensão tem efeitos imediatos e decorre até 24 de março, abrangendo “atividades letivas presenciais, provas académicas, eventos e atendimento”.

Incluídas nesta suspensão estão a Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e IPLUSO – Instituto Politécnico da Lusofonia (ambas em Lisboa), Universidade Lusófona do Porto, Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia de Gaia e Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes (Portimão).

De fora desta suspensão, “uma vez que se inserem em regiões do país onde não foram detetados casos suspeitos de contágio pelo novo coronavírus”, estão o Instituto Superior Dom Dinis (Marinha Grande), o Instituto Superior de Gestão e Administração de Leiria e o Instituto Superior de Gestão e Administração de Santarém.

Para além do Grupo Lusófona, as Universidades do Minho, Coimbra e Lisboa também decretaram a suspensão das atividades letivas. No fim de semana, o Governo decretou o encerramento da Faculdade de Medina e da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Universidade Lusófona encerra quase todas as instituições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião