Bolsa de Lisboa recupera. PSI-20 ganha 4,5%

A bolsa nacional fez um interregno face às perdas registadas nos últimos dias, com o índice de referência nacional a ganhar 4,49%, acompanhando a tendência europeia.

A bolsa de Lisboa encerrou esta terça-feira em terreno positivo, depois de vários dias a registar fortes perdas, com o PSI-20 a ganhar quase 4,5% e à boleia de vários estímulos económicos das autoridades com vista a travar efeitos da pandemia. A puxar pela praça lisboeta estiveram a Jerónimo Martins, a Galp, o BCP e a família EDP.

O índice de referência nacional, o PSI-20, valorizou 4,49% para 3.834,87 pontos, com 11 cotadas em terreno positivo e sete cotadas em terreno negativo. Lá fora, o cenário foi idêntico. O Stoxx 600, que reúne as 600 maiores empresas do Velho Continente, ganhou 2,2%. Na Europa, destaque ainda para a bolsa alemã, com o Dax a avançar 2%, já o francês CAC valorizou 2,6%, assim, como o britânico FTSE.

O desempenho registado pelo índice nacional aconteceu num contexto de ganhos no setor energético, com a Galp Energia a somar 6,85%, para 8,828 euros, apesar do Brent, referência para as importações nacionais de petróleo ter perdido 1,13% para 29,89 dólares. Os ganhos arrastam-se à família EDP. A empresa liderada por António Mexia ganhou 6,66% para 3,62 euros por título. Ao mesmo tempo, os títulos da subsidiaria EDP Renováveis valorizaram 2,94% para 10,16 euros por ação.

Bolsa de Lisboa recupera

A retalhista Jerónimo Martins ganhou 8,14% para 15,57 euros, enquanto o BCP valorizou uns ligeiros 0,0035% para 10,5 cêntimos.

Mas o grande destaque foi para os CTT, cujos títulos tiveram o maior avanço do PSI-20. As ações da empresa liderada por João Bento valorizaram 11,55% para 2,06 euros por ação, reagindo positivamente aos lucros de 29,2 milhões de euros em 2019.

A colocar um travão às perdas dos mercados registadas nas sessões anteriores estiveram os anúncios de vários estímulos financeiros. Como é o caso de França, cujo governo prometeu um pacote de ajuda económica de 45 mil milhões.

Na segunda-feira, o Eurogrupo reuniu-se também, tendo decidido avançar com medidas de estímulo na Zona Euro correspondentes a 1% do PIB da região. Mas disse que pode ir mais longe.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa recupera. PSI-20 ganha 4,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião