Houseparty, Netflix e Zoom. Estas são as apps dos portugueses em quarentena

Houseparty, Netflix e Zoom. Estas são algumas das aplicações que chegaram ao top das mais descarregadas da Play Store e App Store nos últimos dias, marcados pelo isolamento por causa do coronavírus.

A pandemia do coronavírus está a mudar a vida dos portugueses. E com o Governo a recomendar o isolamento em casa, muitos veem no smartphone um “companheiro” para o dia-a-dia, tanto no lazer como no trabalho. Essa mudança de comportamento refletiu-se nos tops de aplicações nas duas principais lojas, App Store e Play Store.

Ferramentas de videoconferência ou de trabalho remoto, como a Zoom, escalaram a lista das mais descarregadas, alcançando posições de relevância, numa altura em que cada vez mais pessoas são incentivadas a completarem a jornada de trabalho a partir das respetivas habitações. Ou, do lado do divertimento, Netflix e TikTok são outros dois exemplos.

No entanto, o grande destaque é a Houseparty, um aplicativo que permite organizar videochamadas com várias pessoas em simultâneo, juntando um catálogo de jogos interativos com questionários e outras diversões para toda a família. Só no Android, esta aplicação, desenvolvida pela Life on Air, regista mais de dez milhões de downloads, mas está tanto no topo da Play Store como no da App Sorte.

Abaixo, o ECO compilou uma breve lista com as principais aplicações que estão a ser descarregadas pelos portugueses, num período em que a recomendação é para ficar em casa. Descubra o que faz cada uma e perceba porque estão a atrair tanta gente em simultâneo.

Google Play Store

  1. Houseparty. Como já indicámos, é uma espécie de rede social que permite a vários utilizadores realizarem videochamadas em grupo. Não é difícil compreender a origem do sucesso deste aplicativo num contexto como o atual: é possível criar grupos de utilizadores, a que a empresa chama de “casa”. Assim, quando um utilizador entra na “casa” — leia-se, fica online –, todos são alertados. É possível pôr a conversa em dia, mas também jogar jogos interativos em grupo. Descarregue aqui.
  2. TikTok. O fenómeno não é novo. Já antes da pandemia que esta rede social era notícia pela quantidade de público que tem atraído em vários países, incluindo em Portugal. Agora, em plena pandemia do coronavírus, cada vez mais portugueses juntam-se ao TikTok para gravarem vídeos potencialmente virais. Descarregue aqui.
  3. Zoom Cloud Meetings. Na vida há tempo para tudo, quer seja para brincar como para trabalhar. Para muitos, o telemóvel é uma mistura dos dois. O Zoom é uma dessas aplicações que tem crescido com a pandemia: por permitir organizar videoconferências, tem sido uma opção usada por muitas empresas que desejam manter reuniões remotas com os trabalhadores. Descarregue aqui.

App Store

  1. Houseparty. Não vamos repetir a explicação, porque esta é também a aplicação mais descarregada para quem usa sistema operativo Android. O facto de estar no topo das duas lojas mostra bem o sucesso emergente desta ferramenta. Descarregue aqui.
  2. Netflix. Ficar em casa, para muitos, é sinónimo de mais tempo disponível para pôr as séries em dia. Por isso, não é de estranhar que esta plataforma de streaming esteja a assistir a um crescimento em tempo de pandemia. Mais portugueses estão a descarregar este catálogo de filmes e séries para fugirem aos canais do cabo que, por estes dias, não só têm cortado nos programas em direto como a atualidade exige uma dedicação maior às notícias sobre o surto. Descarregue aqui.
  3. Continente. Em tempos de açambarcamento de bens nos grandes hipermercados, a aplicação do Continente alcançou o topo. A ferramenta para encomenda de produtos alimentares, e não só, da grande superfície do Grupo Sonae disparou na App Store com cada vez mais portugueses em quarentena a evitarem ir pessoalmente às compras, mas também a tentarem encontrar online o que falta nas prateleiras das lojas. Descarregue aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Houseparty, Netflix e Zoom. Estas são as apps dos portugueses em quarentena

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião