Proteção Civil envia SMS por causa do vírus. Pede aos portugueses para “evitarem o contacto social”

"Covid-19: Lave as mãos com frequência. Evite o contacto social. Previna o contágio. Siga as recomendações oficiais". Esta é a mensagem que os portugueses estão a receber da Proteção Civil.

E porque todo o cuidado é pouco, a Proteção Civil está, esta terça-feira, a enviar mensagens de texto aos portugueses com recomendações quanto ao coronavírus.

“Covid-19: Lave as mãos com frequência. Evite o contacto social. Previna o contágio. Siga as recomendações oficiais”. Esta é a mensagem que os portugueses estão a receber esta terça-feira nos telemóveis, por parte da Proteção Civil.

Na semana passada, durante uma conferência de imprensa, o ministro da Administração Interna já tinha adiantado que a Proteção Civil tinha ativado o sistema de avisos à população por SMS. “A partir de hoje [sexta-feira] está declarada a situação em que a subcomissão operativa que funcionará numa base de permanência pode decidir se faz sentido enviar uma mensagem por SMS”, disse Eduardo Cabrita.

Na altura, o ministro explicou que estas SMS não podiam ser enviadas antes da declaração do estado de alerta, que acabou por entrar em vigor na passada sexta-feira, estando em vigor até 9 de abril.

Estas mensagens da Proteção Civil surgem no dia em que o número de infetados por coronavírus no país subiu para 448, tendo aumentado cerca de 35% em apenas um dia. Até ao momento, Portugal regista apenas uma morte devido a este surto, um homem de 80 anos que estava internado no Hospital Santa Maria.

Em dezembro, o Jornal de Notícias noticiou que o Estado tinha pago 900 mil euros por um contrato de um ano para poder usar as SMS da Proteção Civil. No entanto, no caso das depressões Elsa e Fabien — que provocaram 10.700 ocorrências, 144 desalojados e 320 deslocados –, esta ferramenta não foi usada.

Antes desta situação, e de acordo com o JN, a última mensagem que tinha sido enviada pela Proteção Civil foi a 5 de setembro, altura em que uma onda de calor afetou o país.

(Notícia atualizada às 13h39 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proteção Civil envia SMS por causa do vírus. Pede aos portugueses para “evitarem o contacto social”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião