CIP critica condicionante de apoios à manutenção de postos de trabalho. Está em causa sobrevivência das empresas

António Saraiva defende que só salvando as empresas se pode salvar os empregos. Já a CGTP considera que há um desequilíbrio aprovadas para as empresas e a proteção dos trabalhadores.

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal é muito claro: “Só salvando as empresas é que podemos salvar os empregos”. Em declarações à RTP, António Saraiva critica a decisão do Executivo em fazer depender o recurso às linhas de crédito de três mil milhões de euros à manutenção de postos de trabalho.

“Não se pode inverter a ordem. E se o primeiro-ministro faz depender o apoio às empresas de não despedirem, como é que as empresas, que já fecharam portas, que não estão com faturação há duas semanas, vão estar no mínimo três meses com as portas encerradas, se não tiverem acesso a algum apoio, como é que os empresários, como é que esta micro realidade empresarial vai sobreviver?“, questiona o patrão dos patrões.

Já a CGTP considera que há um desequilíbrio entre o apoio às empresas e aos trabalhadores. “Consideramos que há um desequilíbrio muito grande entre as medidas que são aprovadas para as empresas e a proteção que é dada aos trabalhadores”, sublinhou Isabel Camarinha, em declarações à RTP. A secretária geral sublinha que a central sindical “considera que deve haver proteção total a todos os trabalhadores e que nesta fase não pode haver despedimentos”.

“Já estão a mandar trabalhadores embora, quando são trabalhadores temporários ou quando estão no período experimental”, alerta Isabel Camarinha insistindo que “é necessária fiscalização para impedir que as empresas cometam ilegalidades e abusos, como tem estado a fazer”, acusa.

Para os trabalhadores estas medidas são extremamente insuficientes, porque para os trabalhadores não lhes é garantido o rendimento total, que é o que a CGTP tem reafirmado desde o início. Nesta situação é necessário que as medidas garantam o rendimento total dos trabalhadores”, afirmou Isabel Camarinha, em declarações à Lusa. Isto porque as despesas nesta situação vão aumentar, ou pelo menos não diminuir, e muitos trabalhadores ficam com “um corte muito grande nos seus rendimentos se as medidas se mantiverem como estão anunciadas”, sublinhou.

António Saraiva considera que “não vale a pena anúncios de cariz político ou nem frases feitas, porque a realidade da vida suplanta qualquer marketing político”.

Em causa está o esclarecimento feito na noite de sexta-feira por António Costa relativamente às condicionantes de acesso às linhas de crédito. Depois de um conselho de ministros que se prolongou por diversas horas e um encontro com o Chefe de Estado, o primeiro-ministro anunciou um conjunto de medidas para garantir que as empresas consigam de “subsistir” à paragem forçada pela pandemia, os postos de trabalho que existem não desapareceram e os rendimentos da famílias não sejam “mais fragilizados”.

António Saraiva coloca também nas mãos da Europa uma resposta para o problema. “A Europa tem de encontrar um montante e reparti-lo entre os Estados membros que deles necessitam” e essa resposta tem de “ser expedita”. Para já, em cima da mesa está a possibilidade de uma eventual emissão de dívida conjunta ao nível da União Europeia para estimular a recuperação económica. Uma ação defendida pelo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, e apresentada aos restantes líderes europeus no Conselho realizado na passada terça-feira. Em causa estão as eurobonds uma mutualização da dívida dos países europeus, para a qual potências como a Alemanha já manifestaram alguma abertura.

(Notícia atualizada às 19h46 com novas declarações de Isabel Camarinha à Lusa)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

CIP critica condicionante de apoios à manutenção de postos de trabalho. Está em causa sobrevivência das empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião