Wall Street cai mais de 3%. EUA somam 94 mil casos de Covid-19

Apesar de o Senado ter aprovado esta sexta-feira aquele que é considerado o maior pacote de estímulos da história dos EUA, as praças norte-americanas fecharam a sessão no "vermelho".

Após três dias de ganhos, as bolsas norte-americanas fecharam a semana em terreno negativo. Mesmo com a aprovação de um estímulo histórico de 2,2 biliões de dólares pelo Senado, o receio de os EUA se tornarem o epicentro do novo coronavírus e a ameaça de uma eventual recessão pesou no sentimento dos investidores.

O índice de referência S&P 500 recuou 3,4% para 2.540,08 pontos, enquanto o industrial Dow Jones desvalorizou quase 4%, depois de na sessão anterior ter registado o maior ganho diário desde a década de 30. Ao mesmo tempo, o tecnológico Nasdaq deslizou 3,8%.

Esta sexta-feira o congresso norte-americano aprovou um pacote de estímulos de 2,2 biliões de dólares — o mais elevado na história dos EUA –, por forma a mitigar o impacto do surto na maior economia do mundo, faltando apenas a assinatura de Donald Trump para ser implementado. Contudo, apesar de este ser considerado um pacote histórico, parece não dar confiança suficiente aos investidores, que continuam receosos face à ameaça de os EUA se tornarem no epicentro da epidemia e à perspetiva de uma eventual recessão.

Ainda não entendemos completamente o grau do impacto económico”, apontou Massud Ghaussy, analista da Nasdaq IR Intelligence, à Reuters, acrescentando, que, “é necessário encontrar um equilíbrio entre conter a propagação do vírus e reabrir a economia”.

Os números de novos casos do outro lado do Atlântico não param de aumentar e a OMS já veio alertar para essa possibilidade. Segundo o último balanço do site Word o Meter, há mais de 90 mil casos confirmados nos EUA e foram já declarados mais de 1.400 óbitos. Os EUA tornaram-se esta quinta-feira o país mais afetado pelo coronavírus em termos do número de infetados identificados, ultrapassando a China.

Além disso, e a associar-se a este sentimento negativo, está a volatilidade nos preços do petróleo, com as medidas globais de isolamento a causar um colapso sem precedentes na procura pela matéria-prima. Ainda esta sexta-feira, a Agência Internacional de Energia veio alertar que a procura mundial por petróleo está em queda livre, acrescentando que poderemos ver uma quebra na procura por petróleo de “até 20 milhões de barris por dia” por causa do coronavírus.

A pesar nas cotações de petróleo, está ainda o conflito Arábia Saudita e a Rússia, que se mantém ativo, com os sauditas a injetarem produção extra no mercado. Além disso, a Rússia pediu um novo acordo à OPEP+ para equilibrar os mercados petrolíferos. Nesse contexto, Brent de referência europeia desvalorizou para dólares por barril, enquanto o crude WTI, a negociar em Nova Iorque, perdeu 4,07% para 21,59 dólares.

Perante este cenário, as empresas do setor petrolífero estão a ser fortemente afetadas. A Exxon Mobil recuou mais de 5%, já os títulos Chevron deslizaram quase 10%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street cai mais de 3%. EUA somam 94 mil casos de Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião