📹 O que é o lay-off? Perguntou ao Google, nós respondemos

Face à pandemia de coronavírus, já são muitos os empregadores que alertam para o risco de não terem condições para pagar salários. O Governo respondeu com um novo lay-off.

É uma das bandeiras do Executivo de António Costa na luta contra os efeitos da pandemia de coronavírus na atividade das empresas e no mercado de trabalho. Chama-se apoio extraordinário à manutenção dos contratos de trabalho, inspira-se no regime tradicional de lay-off e ficou por isso conhecido como lay-off simplificado, por prometer ser mais rápido e flexível na sua atribuições.

Este novo regime está disponível para os empregadores que tenham sido mais afetados pelo surto de Covid-19 e que estejam, assim, em crise empresarial. Em causa estão as empresas que estejam encerradas total ou parcial por decisão “das autoridade políticas ou de saúde”; que estejam em paragem total ou parcial por causa da interrupção das cadeias de abastecimento globais ou da suspensão ou cancelamento de encomendas e reservas; ou que tenham registado uma quebra de, pelo menos, 40% da faturação nos 30 dias anteriores ao pedido comparando com a média dos dois meses anteriores a esse pedido ou face ao período homólogo.

Este lay-off simplificado traduz-se, no caso dos trabalhadores, na garantia de, pelo menos, dois terços do seu salários, sendo o contrato de trabalho suspenso ou a carga horária reduzida.

No caso da redução do tempo de trabalho, o trabalhador tem direito ao salário equivalente às horas mantidas, devendo tal montante equivaler no mínimo aos tais dois terços ou 635 euros. Caso o valor assegurado pelo tempo de trabalho seja inferior a esses últimos montantes, o remanescente é pago em 70% pela Segurança Social e em 30% pelo empregador. No caso da suspensão do contrato, a toda a compensação retributiva é paga em 70% pela Segurança Social e 30% pelo empregador.

O formulário para os empregadores acederem a este regime foi disponibilizado esta sexta-feira, tendo o ministro da Economia assegurado que a sua aprovação será praticamente automática.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

📹 O que é o lay-off? Perguntou ao Google, nós respondemos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião