Há quase 700 mil infetados no mundo. Coronavírus já fez mais de 33 mil mortes

  • Lusa
  • 29 Março 2020

Já foram diagnosticados mais de 697.750 casos de coronavírus, com Itália e os EUA no topo dos países mais afetados. Uruguai, a Síria, a Bolívia, o Mali e a Nova Zelândia anunciaram as primeiras mortes

A pandemia do novo coronavírus matou, pelo menos, 33.244 pessoas no mundo inteiro desde que a doença surgiu em dezembro na China, segundo um balanço da AFP às 19h00 deste domingo, a partir de dados oficiais.

Segundo a agência de notícias francesa, já foram diagnosticados mais de 697.750 casos de infeção pelo novo coronavírus e a pandemia espalhou-se por 183 países ou territórios. A AFP alerta que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções, já que um grande número de países está agora a testar apenas os casos que requerem atendimento hospitalar.

Entre o total de casos, pelo menos 137.900 pessoas são agora consideradas curadas. Desde a contagem feita às 19h00 de sábado, 3.241 novas mortes e 56.973 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os países com mais mortes nas últimas 24 horas foram a Espanha, com 838 novas mortes, a Itália (756) e os Estados Unidos (460). A Itália, que teve a sua primeira morte ligada ao novo coronavírus no final de fevereiro, tem agora 10.779 mortes, em 97.689 casos. Só hoje foram anunciados 5.217 novos casos e 756 mortes, enquanto 13.030 pessoas são dadas como curadas pelas autoridades italianas.

Depois da Itália, os países mais afetados são a Espanha, com 6.528 mortes, em 78.747 casos, a China continental, com 3.300 mortes (81.439 casos), o Irão, com 2.640 mortes (38.309 casos) e a França, com 2.606 mortes (40.174 casos). A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, registou de sábado para hoje 45 novos casos e mais cinco mortes. E indicou que 75.448 pessoas estão curadas.

Em número de casos, os Estados Unidos são o país mais afetado, com 132.637 contaminações, segundo os números oficiais, contabilizando ainda 2.351 mortes e 2.612 pessoas curadas. Desde sábado às 19h00 (hora de Portugal), o Uruguai, a Síria, a Bolívia, o Mali e a Nova Zelândia anunciaram as primeiras vítimas mortais ligadas ao vírus.

Por continentes, segundo a contagem da AFP, a Europa totalizava às 19:00 de hoje 23.864 mortes, para 382.943 casos. A Ásia tinha 3.792 mortes, para 105.573 casos. O Médio Oriente registava 2.727 mortes, para 47.310 casos. Os Estados Unidos e o Canadá tinham 2.414 mortes, para 138.880 casos. A América Latina e Caraíbas contavam 287 mortes, para 13.939 casos. A África tinha 142 mortes, para 4.569 casos, e a Oceânia 18 mortos, para 4.537 casos.

Esta avaliação foi realizada usando dados coletados pelos escritórios da AFP, das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde. Portugal regista 119 mortes, mais 19 do que no sábado, enquanto o número de infetados subiu 792 para 5.962, segundo os dados hoje divulgados. Dos infetados, 486 estão internados, 138 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há quase 700 mil infetados no mundo. Coronavírus já fez mais de 33 mil mortes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião