Ritmo volta a abrandar em Itália. Morreram 756 nas últimas 24 horas

O número de infetados com coronavírus continua a aumentar, mas o ritmo de crescimento das vítimas mortais abrandou pelo segundo dia consecutivo.

O número de infetados com coronavírus continua a aumentar, mas o ritmo de crescimento das vítimas mortais desvalorizou pelo segundo dia consecutivo. De acordo com o balanço mais recente da Proteção Civil italiana, citado pelo jornal La Stampa (conteúdo em italiano), o país tem atualmente mais de 73 mil casos confirmados e, nas últimas 24 horas, houve 756 falecimentos, um número inferior aos observados nos últimos dois anos.

Parece que o ritmo de mortes em Itália começa a diminuir. Este domingo faleceram 756 pessoas no país, menos do que as 889 registadas no sábado e do que as 969 registadas na sexta-feira. A mesma tendência também se observa no número de infetados que, embora sejam mais, vão diminuindo de dia para dia. O balanço da Proteção Civil dá conta de um aumento de 5.217 casos confirmados face a sábado, totalizando 73.880 pessoas infetadas. Até ao momento, o coronavírus já infetou mais de 97 mil italianos.

Depois de ontem o número de recuperados quase ter triplicado, hoje voltou a cair: apenas 646 pessoas recuperaram da doença, face às quase 1.500 deste sábado. “Estamos no meio de uma epidemia. Seria um erro grave agora baixar a guarda”, alertou o ministro da Saúde, Roberto Speranza, depois de se ter colocado a hipótese de reabrir as atividades produtivas, ainda que de forma gradual.

Na zona norte de Lombardia, a mais afetada do país, há 25.392 pessoas infetadas com coronavírus, um aumento de 1.592 pessoas em apenas 24 horas. O número de mortes, cujo ritmo também abrandou nos últimos dois dias, está atualmente nos 6.360. Ainda no topo das regiões mais afetadas estão Emília-Romanha (10.535 casos) e Vêneto (7.251 casos).

(Notícia atualizada às 17h27 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ritmo volta a abrandar em Itália. Morreram 756 nas últimas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião