Covid-19: Caixa de previdência dos advogados analisa impacto financeiro de medidas excecionais

  • Lusa
  • 31 Março 2020

A CPAS está a analisar, entre esta segunda e terça-feira, o impacto financeiro das medidas excecionais e temporárias propostas para minimizar os efeitos da paralisação do setor durante o Covid-19.

Em declarações à agência Lusa no final de uma reunião com vários responsáveis da CPAS, o bastonário da Ordem dos Advogados (OA), Luís Menezes Leitão, referiu que, após terem sido propostas diversas medidas por parte de advogados e solicitadores, a direção da CPAS “ficou de avaliar o impacto financeiro” das mesmas e marcou uma reunião para esta terça-feira para se pronunciar sobre o assunto de “forma detalhada”.

Estamos todos muito preocupados com o facto de os escritórios de advogados estarem fechados”, comentou Menezes Leitão, observando que esta imposição do Governo não foi seguida em Itália, onde os escritórios de advogados continuam abertos.

O bastonário admitiu, contudo, que os advogados podem continuar a trabalhar em casa, mas observou que com a paralisação do sistema judiciário – só os atos urgentes em que estejam em causa direitos fundamentais são despachados – a atividade dos advogados e solicitadores fica muito reduzida.

Menezes Leitão alertou que caso o combate à pandemia dure muitos meses isso será “trágico para o país e para a justiça”, antevendo que, perante tal cenário, na reabertura dos tribunais o sistema judicial possa haver um “colapso devido à acumulação de processos e de litígios durante a fase da pandemia“.

O bastonário notou que a pandemia, ao originar despedimentos em massa, muitos deles de forma “simplificada e ilegal”, vai gerar uma avalancha de processos nos tribunais de Trabalho quando estes reabrirem as portas, o mesmo podendo acontecer em outras áreas do direito.

A reunião desta segunda-feira na CPAS tinha como primeiro ponto a pronúncia sobre a proposta de decreto-lei apresentada pela direção da CPAS relativa às medidas excecionais e temporárias de resposta à epidemia do coronavírus, aplicáveis aos advogados, solicitadores e agentes de execução.

Perante a situação de emergência que Portugal atravessa, o Conselho Geral da OA propôs a direção da CPAS adote medidas, de forma a proteger adequadamente a situação dos seus beneficiários (advogados, solicitadores e agentes de execução)

Uma delas é a suspensão do pagamento, até ao fim do ano, das contribuições aos beneficiários que, tenham sofrido uma quebra de rendimentos que os impeça de satisfazer as suas obrigações contributivas, nomeadamente em virtude de doença ou redução anormal de atividade relacionadas com a situação epidemiológica do novo coronavírus, com início da contribuição de março.

Assim, o valor devido à CPAS em falta seria pago aditando-se uma contribuição em cada ano nos próximos dez anos aos beneficiários nessa situação.

Outra medida indica que, em alternativa, poderia ser decretada a redução do escalão dos beneficiários nessa situação para o primeiro escalão, uma vez que lhes será praticamente impossível suportar escalão superior.

Estas parecem-nos ser as medidas mais urgentes, a adotar no imediato pela CPAS. Até ao fim do ano, no entanto, a direção da CPAS deverá apresentar a este Conselho Geral um fator de correção do indexante contributivo para 2021 (…) que permita baixar o valor mínimo das contribuições que neste momento se encontra fixado num montante de 251,38 euros, absolutamente insustentável para a maioria dos beneficiários, ainda mais nesta época de crise”, lê-se numa das recomendações dirigidas à direção da CPAS.

É ainda recomendado que “o fator de correção deveria ser fixado num valor muito acima dos atuais 10%, devendo mesmo aproximar-se dos 50%, em ordem a permitir uma aproximação efetiva dos montantes mínimos de contribuição pagos pelos advogados e solicitadores integrados na CPAS àqueles que existem no regime da segurança social dos trabalhadores independentes”

Foi igualmente proposta que a direção da CPAS proceda à elaboração por uma entidade independente de uma auditoria à sua situação financeira, por forma a esclarecer a sua “sustentabilidade a longo prazo”.

“A direção da CPAS deverá ainda, em articulação com a Ordem dos Advogados e a Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução negociar com o Governo a transferência para a mesma de uma percentagem das custas judiciais, à semelhança do que anteriormente ocorria com a procuradoria”, refere outra das recomendações, a par da proposta de que se efetua uma reforma do Regulamento da CPAS, para “corrigir várias injustiças do seu sistema de previdência”, designadamente ser abolida a fixação das contribuições com base em rendimentos presumidos, assim como a contribuição simultânea para vários sistemas de previdência.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Caixa de previdência dos advogados analisa impacto financeiro de medidas excecionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião